sexta-feira, 3 de maio de 2013

16ª Caminhada da Época 2012 / 2013 . Rota dos Miradouros de Lisboa . Dia 1 de Maio



Videos:
Carlos Evangelista Part I
Carlos Evangelista Part II
Albuns de Fotos:
Luis Martins
Fortunato de Sousa
Carlos Evangelista
Raul Almeida
Miguel Cardoso
Data do Encontro: 01/05/2013
Local: Lisboa (Miradouros de Lisboa)
Percurso: 07, 600 kms; 02: 30 Horas
Caminhantes: (62) Alice Miranda; Ana Almeida; Ana Leão; Ana Sara *; André Correia; Angelina Martins; António Clemente; António Pedro; António Silva; Armando Lourenço; Augusto Casaca; Belmira Coelho; Bia Namora; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Clara Ferreira; Dores Alves; Elvira Melo *; Estela Garcia; Filipe Simões; Fortunato Sousa; Gil Furtado; Gilberto Santos; Graça Penedo; Helena Gago; Hélia Jorge; Ilda Poças; Isabel Coelho; Isabel Forte *; João Duarte; Jorge Veiga; José da Clara; Lidia Albuquerque; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Luís Penedo; Luísa Clemente; Luísa Gonçalves; Lurdes Clara; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Maria do Céu; Manuel Reis; Manuela Serra; Margarida Serôdio; Maria do Carmo; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro; Pedro Albuquerque; Quinita; Raúl de Almeida; Rogério Matias; Teresa Palma Duarte; Teresa Santos; Tina Rita; Tomaz Pessanha; Virgílio Vargas; Victor Gonçalves.
* Não estiveram presentes ao jantar.
Só ao Jantar: (1) Ilda Marques
Organizador: Fortunato de Sousa; Luís Fernandes; Victor Gonçalves.
Jantar: Restaurante Udina (Tel: 213.140.731)
Próxima Caminhada: 15/05/2013 – (José da Clara / Luís Martins)
Reportagem:
À primeira caminhada do grupo ‘Os Caminhadeiros’ realizada no ano de 2007, estiveram presentes 6 pessoas. Na caminhada dos Miradouros de Lisboa, 12 novos participantes se juntaram aos 50 que já por cá andam há mais tempo, tendo no total somado 62 presenças. Há ainda que ter em conta, que à última hora, 4 dos inscritos não puderam comparecer, e no dia anterior, por razões de espaço limitado no restaurante, fomos obrigados a cancelar as inscrições. Foi, portanto, esta a caminhada mais participada desde o início da nossa actividade caminhadeira, e estão de parabéns todos os Caminhadeiros que têm contribuído, para que de 15 em 15 dias possamos alimentar o corpo e a mente de modo muito saudável. Nos tempos que correm, que bem nos faz esta válvula de escape, para atenuar o desgaste e os males provocados pelo poder dos sem razão, que a cada dia que passa, se sobrepõem à razão dos que não têm poder.
A hora de início da caminhada, porque era o dia 1º de Maio, dia do Trabalhador, teve que ser ajustada de modo a que todos os interessados em nela participar, o pudessem fazer depois de cumpridas outras prioridades não menos importantes.
Dado que o percurso se intitulava ‘Rota dos Miradouros de Lisboa’, nada melhor que iniciar a caminhada num dos locais mais bonitos da cidade, o Miradouro da Senhora do Monte, em frente à capela com o mesmo nome e com vista maravilhosa sobre a capital alfacinha. Depois de recolhidas as fotos aos estreantes nestas andanças e a fotografia de grupo, descemos mais um pouco até ao Miradouro da Graça. Os fotógrafos de serviço não davam mãos a medir, dados os motivos e os pontos de interesse que não queriam deixar de registar. E lá fomos descendo pela Igreja de Santa Engrácia ou Panteão Nacional, onde posámos para mais uma fotografia de grupo, até à Igreja de Santo Estevão. Local este mitificado através do fado com o mesmo nome, que Gabriel de Oliveira,  Joaquim Campos e Fernando Maurício, autores da letra, música e intérprete deram a conhecer ao mundo fadista. Muitos dos participantes comentavam entre si que era a 1ª vez que visitavam este espaço. E lá está o cruzeiro junto à igreja, comentava um outro mais atento. Seguimos até às Portas do Sol, Miradouro de Santa Luzia, Cruzes da Sé, e pela rua da Alfândega chegámos ao Terreiro do Paço. Está diferente e mais bonita a Praça do Comércio, com as esplanadas debaixo das arcadas e sem trânsito. Sempre a marginar o rio Tejo fomos até ao Cais do Sodré e mais uma paragem na Praça do Município para respirar fundo e mais fotografias. De registar o interessante momento de reportagem, quando o Senador Caminhadeiro Gil Furtado, qual José Relvas a proclamar a República nos Paços do Concelho, contou a história de um conterrâneo seu, acerca do bonito Pelourinho com coluna em espiral esculpida em mármore, situada no centro da praça. Com passagem pela rua do Arsenal, rua do Ouro, rua Augusta, Rossio e rua das Portas de Santo Antão, chegámos à calçada do Lavra. Era aqui que deveríamos entrar no tradicional eléctrico do Lavra, que nos facilitaria a vida em termos de esforço, até encontrarmos o Jardim do Torel. Só que, o guarda-freio de serviço também tem a sua hora de jantar, e como a da nossa chegada coincidiu com ela, os mais aventureiros não quiseram esperar e subiram a calçada, depois de dar corda aos calcantes para ganhar balanço. Um grupo mais pequeno decidiu esperar e experimentar a subida através deste meio de transporte ainda activo, e que faz parte do roteiro da cidade. Já com o Sol a despedir-se, também nos despedimos do último ponto de visita e lá fomos em direcção ao local do jantar, este mais que merecido após tanto esforço despendido.
Aqui no restaurante ‘Udina’, juntou-se a nós a Caminhadeira Ilda Marques, que não teve oportunidade de saborear desta vez a componente pedestre.
Fazia parte do programa durante o jantar, uma actuação da soprano Sofia de Castro . Em boa hora o nosso amigo Luís Fernandes escolheu este local, pois para além de assistirmos a uma extraordinária interpretação da Sofia, muitos dos presentes tiveram oportunidade de reencontrar a sua ex colega de trabalho, agora virada para outros afazeres também de acordo com a sua vocação.
No final de festa, foi este vosso repórter de serviço, surpreendido com mais um mimo Caminhadeiro. Nada menos que um bolo de aniversário e o cantar a uma só voz os parabéns pelas 64 Primaveras cumpridas poucos dias antes. Para todos o meu obrigado.
Para a Graça Sena e para a Áurea Lopes, que em cima da hora não puderam comparecer por razões de todo inesperadas,  um abraço colectivo e os desejos de um pronto restabelecimento para os acidentados.
Uma palavra final para todos os que pela 1ª vez experimentaram o sabor da arte Caminhadeira, e o desejo de os voltar a ter por cá sempre que assim o entenderem ou o possam fazer.  

Saudações Caminhadeiras em passada de reformado traído, mas não vencido e muito menos convencido,

Fortunato de Sousa

5 comentários:

Kinita disse...

Boa tarde amigos e Caminhadeiros,
venho deixar aqui a minha opinião sobre a nossa última caminhada, foi um prazer. Foi muito bom calcorrear Lisboa, os recantos e os encantos desta maravilhosa cidade, pelo próprio pé, adorei.
Depois de um agradável esforço físico, de alimentarmos aprazivelmente (pelo menos) os nossos 4 sentidos, faltava ir ao último, o paladar. Os últimos metros fizeram-se muito rápidamente, mas, "não me encheu as medidas".
Continuámos a alimentar a alma, com a nossa alegria, com a nossa linda (em tudo) Sofia, começámos (uns 1º que outros) a retemperar a energia física, mas quanto ao paladar e envolventes, não me satisfez. Sei que um grupo pequeno é mais fácil de satisfazer do que um maior, sei também que "errar é o mano", e mais, penso que deveriam elevar mais a mais valia que têm, refiro-me à Sofia a cantar, que penso todos adorámos, e que me parece ter sido por ela que a escolha incidiu no "Udina". Sem mais alongas, só quero dar como referência ao restaurante, a visualização do filme espanhol "Volver", pode ser que ajude. Espero voltar ao restaurante e vir de lá com as "medidas cheias".
Um abraço a todos,
Kinita

Miguel Cardoso disse...


Depois de uma jornada de exploração mineira nas minas do Lousal, na bela paisagem Alentejana, nada melhor do que uma visita (embora curta), à zona histórica da linda cidade de Lisboa.
É sempre bom revisitar, os espectaculares miradouros, os magníficos monumentos sobretudo igrejas e obviamente as ruas da Baixa Pombalina (Ai Marquês, Marquês, se tu pudesses voltar cá outra vez!).
A reter, a magnífica voz da soprano Sofia de Castro que nos deliciou durante o merecido jantar de encerramento da jornada.
Parabéns aos organizadores do evento, ao realizador cinematográfico Carlos Evangelista, bem como e mais uma vez, ao aniversariante Fortunato de Sousa, muitos e bons anos de vida.

"A pedido aqui vai um breve comentário da estreante, minha companheira, Belmira Coelho Cardoso.

Agradecimentos pelo bom acolhimento que encontrei no seio deste grupo Caminhadeiro.
Como gosto muito de Lisboa, adorei a caminhada, apesar de já conhecer parte do percurso feito.
Os meus parabéns aos organizadores e mais uma vez ao aniversariante Fortunato de Sousa."

*escrito de acordo com a antiga ortografia

Saudações Caminhadeiras,
Miguel Cardoso
Belmira Coelho Cardoso

mreis disse...

Bela ideia para caminhada em dia especial para todos os trabalhadores mesmo para aqueles que não sabem porquê...
Nivel elevado de organização com uma parte cultural a cargo da 'nossa' soprano Sofia de Castro que ouvi pela primeira vez ao vivo. E gostei muito de todas as canções e até da cor do vestido, que de propósito ou não, estava mesmo a propósito.
Já o jantar, como diz a Kinita, não esteve à altura. Mas temos que nos habituar que para 40, 50 ou 60 pessoas não é possível arranjar facilmente qualidade, serviço e preço comparável ao que seria para 10 ou 15.
Fiquei foi surpreendido por o Carlos Evangelista ser um bocadinho nabo a fazer vídeos, afinal não é tão perfeito como diz a Tina (ah ah ah).
Outra surpresa foi o preço dos bilhetes avulso de elevador: 3,60€!!! diminuem as reformas por um lado, aumentam os preços por outro, deve ser para compensar...
Finalmente deixo aqui um comentário de uma amiga que nos segue do Canadá:
"Luis Martins pictures are stunning. He should submit some to become postcards." Ora toma!

abraços
mreis

Carlos disse...

Pois é eu também gostei desta caminhada pelos miradouros de Lisboa. E agradeço aos organizadores a oportunidade que deram de rever alguns dos sitios que fizeram parte da minha juventude de estudante, pois como fiz o liceu no Gil Vicente, ali tão perto, durante vários anos saía do eléctrico nos Caminhos de Ferro e lá ia por aquelos becos e ruelas acima até perto da Graça, e quando havia gazeta, aproveitámos para passear por muitos dos sítios que agora visitámos. Passados tantos anos foi bom rever e reviver aquelas paragens. E também sitios novos, por exemplo eu acho que nem sabia que havia um miradouro do Torel. O Torel para mim era a esquadra da Polícia para onde iam os vendedores ambulantes que não tinham as licenças em dia. Até se conta que a Elsa, que era varina ia acompanhada pelo polícia para o Torel e as colegas na galhofa preguntaram - Oh Elsa vais presa ?? ao que a Elsa respondeu- Não, vou dormir com o chefe!!!!.
Também gostei de ver tanta gente caminhadeira nesta saída lisboeta e especialmente tanta gente pela primeira vez, com especial relevo para o meu amigo Filipe Simões.
E aquela voz magnífica da Sofia fez esquecer a demora do serviço do restaurante. Bravo Sofia e obrigado pela alegria que nos transmitiste.
Ainda a propósito da demora no serviço do restaurante, já pensaram que tanta gente a inscrever-se depois do prazo limite certamente dificulta a tarefa dos organizadores ?? Vá lá pessoal, façam um esforço para se inscreverem a horas. Vão ver que não custa nada.
Quanto às reportagens tanto escrita como fotográficas tudo 5 estrelas, dá gosto ver mesmo para quem não esteve lá, aliás apoio totalmente a ideia da amiga do Manuel quanto ao magnífico tabalho do Luis Martins.
Já os videos do CE, lembra-te Carlos que os primeiros dez anos é que custa, depois é fácil.
Parabéns aos organizadores e a todos os participantes nesta bela jornada caminhadeira.
Saudações caminhadeiras em passada minhota.
CPenedo

Fortunato de Sousa disse...

Pelo modo como chegou ao ponto de concentração, tecnicamente bem equipado, muito atento ao cenário que o rodeava e a tudo o que se passava à sua volta, vimos logo que a sua grande motivação não era caminhar, mas sim aproveitar a caminhada para fotografar. Durante o tempo que durou o percurso deve ter registado muitas dezenas de fotografias, que só agora chegaram ao blog. Através delas, tal como a de outros excelentes fotógrafos a que já nos fomos habituando nas reportagens publicadas, podemos sem dificuldade confirmar a diferença entre arte fotográfica e registos fotográficos do momento.
Por tudo isto, os meus parabéns ao meu amigo Raul de Almeida, pelo excelente contributo acrescentado à reportagem.
Saudações Caminhadeiras,

Fortunato de Sousa