segunda-feira, 4 de maio de 2015

* * Convocatória . 1ª Caminhada Extraordinaria 2014 / 2015 * * Rota del Sotillo e da Malara . Dias 8, 9 e 10 de Maio

Esta convocatória serve apenas para formalizar a publicação no blog da realização da 1ª caminhada extraordinária da época. 
As inscrições foram efectuadas por outra via e já se encontram encerradas.
Saudações Caminhadeiras em passada extraordinária,

Fortunato de Sousa

sexta-feira, 1 de maio de 2015

* * * * * * * * 17ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * * ___Pelos Caminhos da Batalha do Vimeiro . Dia 29 de Abril___




Data do Encontro: 29/04/2015
Local: Vimeiro – ‘Pelos Caminhos da Batalha do Vimeiro’
Percurso: 12,500 km – 4 horas
Caminhantes (44): Ana Bento, Renato Gonçalves, Lídia e Pedro Albuquerque, Dores Alves, Miguel Cardoso, José e Lurdes Clara, Luisa e António José Clemente e netos: Manuel e Marta, João e Nela Costa, João Duarte, Maria do Céu e Manuel Pedro, Carlos Evangelista, Antonieta Faria e Antóio Palma, Lina e Luis Fernandes, João Figueiredo, Carmen e Octávio Firme, Manuel Floxo, Estela e Manuel Garcia, Vítor Gonçalves, Fátima e Lúcio Libânio, Angelina e Luis Martins, Rogério Matias, Carlos Penedo, Manuel Reis, Gilberto Santos, Graça Sena, Quinita e Fortunato Sousa, Odete Vicente, Céu e Luz Fialho, Amílcar Queiroz.
Organizadores: Angelina e Luis Martins
Almoço e Chá: Restaurante ‘O Braga’ no Vimeiro – 966971011
Próxima caminhada: em Borba, organizada pelo Miguel Cardoso
Reportagem:
Lá diz o filosófo: “A História repete-se”. Batalhas e revoluções são quase sempre os meios de que os oprimidos se servem para responder aos opressores, aos gananciosos e aos oportunistas. Umas vezes ganham, outras nem por isso. Mas o que importa é não esquecer !!! A Batalha do Vimeiro foi um desses exemplos: por um lado ganhou-se, por outro perdeu-se.
A primeira vez que visitámos este Centro, pareceu-nos uma boa ideia partilhá-lo com os nossos amigos caminhadeiros numa futura caminhada, pois tinha alguns bons ingredientes para levar em consideração: perto de Lisboa, bonitas panorâmicas, História e boa gastronomia. Cremos ser o que sentem todos os nossos amigos quando se lhes depara algum local aprazível.
Assim não faltaram à chamada os 42 amigos, que nesta manhã de Abril, soalheira e calma, compareceram no Vimeiro para mais uma caminhada. Além dos habituais companheiros tivemos desta vez o grato prazer de se nos terem juntado dois novos amiguinhos (a Marta e o Manuel Alves) que vieram de longe e a quem esperamos ter proporcionado uma experiência agradável. Pelas 9h30 lá nos aprontámos para a fotografia da praxe na escadaria da igreja do Vimeiro. Fomos guiados, durante os 12,5 km, pelos simpáticos representantes do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, dra. Ana Bento e sr.Renato Gonçalves, que se prontificaram desde que os contactámos a acompanhar-nos e dar-nos a conhecer os sítios mais emblemáticos do citado confronto, e não só, como foi o caso de Fonte Lima e do seu parque natural. Penitenciam-se aqui os organizadores pelo percurso ser um pouco mais longo do que o habitual, mas estamos certos que seremos perdoados pelo facto de o caminho não ser muito violento em termos de subidas e descidas e a paisagem espectacular que nos acompanhou durante quase todo o percurso compensar o esforço.
Conforme o previsto regressámos ao parque de estacionamento do Restaurante “o Braga” cerca da 13h30, onde nos aguardava o almoço, “um pouco ao jeito do salve-se quem puder e daqui me sirvo”. Contudo, achamos que ninguém ficou defraudado com o mesmo, pois houve quantidade, qualidade e simpatia no serviço. No final do almoço, foi entregue ao Manuel Garcia um troféu dos Caminhadeiros, para perpetuar a nossa passagem pela sua casa na caminhada anterior, onde nos foi servido o chá e lanche de final de dia.  
Na parte da tarde subimos ao CIBV, onde fomos novamente recebidos pela Ana Bento que nos brindou com uma apresentação de alta qualidade acerca do que se passou no dia 21 de Agosto de 1808 mesmo ali na encosta do Centro e por cujas janelas se pôde apreciar todo o campo onde a batalha decorreu. Estamos certos que foi um dos pontos altos das nossas tardes culturais caminhadeiras. Felizmente que temos encontrado durante essas tardes, pessoas com muito valor e cheias de interesse pela sua terra e pelo legado dos nossos avós; isto faz-nos ter muito mais esperança.
Depois da entrega de uma placa alusiva à nossa passagem pelo Vimeiro, que serviu também como forma de agradecimento ao CIBV e às pessoas que nos acompanharam, despedi-mo-nos e voltámos para o Chá (e não só) para preparar o regresso e falar de assuntos importantes para todos nós (próximas caminhadas).
Saudações caminhadeiras já em passada transmontana.

Angelina Martins  

quarta-feira, 22 de abril de 2015

* * * *Convocatória . 17ª Caminhada da Época 2014 / 2015* * * * ___Pelos Caminhos da Batalha do Vimeiro . Dia 29 de Abril___

Convocam-se os Caminhadeiros para a 17ª Caminhada desta época.
Mais uma vez vamos recordar um passado relativamente recente da nossa História e que se refere às Invasões Francesas, mais concretamente à Batalha do Vimeiro que se deu em 21 de Agosto de 1808.
Durante o percurso – que será de dificuldade média/baixa e de cerca de 10 km - seremos acompanhados pela Dra. Ana e pelo sr. Renato Gonçalves do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro.
A concentração será às 9h00 no parque de estacionamento do Restaurante e Residencial ‘O Braga’ – Rua 21 de Agosto, 25 – tel.261984265/966971011 – Vimeiro - Coordenadas GPS: N 39º 10’ 43.70 e W 09º 19’ 09.30. Se alguém desejar aproveitar o alojamento na Residencial o preço por noite e por casal é de 25€, com p/almoço.
O almoço – 13h30 - e o chá serão neste mesmo restaurante.
O início da caminhada será por volta das 9h30 para se aproveitar alguma frescura pois costuma fazer calor naquele vale; isto se fizer um tempo normal para esta época.
O Vimeiro dista cerca de 55 km de Lisboa e para se chegar, e para quem não quiser/puder utilizar o GPS, deverá proceder de preferência do seguinte modo:
1- sair da A8 na Saída 9 (Lourinhã); 2- após a portagem virar à esquerda; 3- após andar cerca de 3 km virar à esq. no cruzamento que diz ‘Vimeiro’ e ‘A-dos-Cunhados’; 4- em ‘A-dos-Cunhados’ seguir para Vimeiro, conforme tabuleta; 5- em Vimeiro, na estrada principal e do lado esquerdo para quem vem da A8, ver-se-á a indicação de ‘O Braga’ numa das suas entradas. Atenção: deve-se entrar usando uma ruela imediatamente antes disso e que dá acesso a um grande parque de estacionamento onde, em princípio, deixaremos os carros durante o dia.
Como de costume os interessados deverão inscrever-se até às 24h00 do domingo, dia 26 de Abril.
Saudações caminhadeiras em marcha forçada mas alegre e descontraída.

LM

segunda-feira, 20 de abril de 2015

* * * * * * * * 16ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * * __Rota do Cristo Rei, Ginjal e dos Tanoeiros . Dia 15 de Abril__




Local:  Almada – Rota do Cristo Rei, Ginjal e dos Tanoeiros
Percurso: - 08, 000 kms - 02: 30 Horas
Caminhantes: (47) Angelina Martins; Antonieta Faria; António Clemente; António Palma; António Pires; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Cidália Marta; Dores Alves; Fátima Libânio; Fortunato Sousa; Francisco Pires; Gabriela Bentes; Gilberto Santos; Gil Furtado; Graça Sena; Helena Meleiro; João Costa; João Duarte; João Figueiredo; José Clara; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Lúcio Libânio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Lurdes Clara; Luz Fialho; Manuel Flôxo; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Serôdio; Maria do Céu; Miguel Cardoso; Nela Costa; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Quinita de Sousa; Rogério Matias; Teresa Palma; Virgílio Vargas; Vitor Gonçalves;
Organizador: Manuel Garcia
Almoço: Restaurante “Solar das Tílias” (Tel. 212.976.127)
Próxima Caminhada: 29/04/2015 – (Angelina e Luis Martins)
Reportagem:
Teve uma participação acima da média esta 16ª caminhada da época organizada pelo nosso amigo Manuel Garcia. O local do percurso com início no Alto do Pragal junto ao Cristo Rei, com passagem pelo alto de Almada, Cacilhas / Ginjal e toda a zona da margem esquerda do Tejo onde no passado muitos habitantes exerceram profissões e actividades ligadas ao comércio e indústria locais, como a de calador e tanoeiro, foram o motivo que justificou a presença de 44 Caminhadeiros. As fortes ameaças de dia intensamente chuvoso anunciadas de véspera pelas estações meteorológicas, não conseguiram desmotivar este pessoal que deposita cada vez mais uma confiança inabalável no seu santo protector Pedro.
Portanto, com a pontualidade que nos é habitual, à hora marcada demos início à caminhada pelas ruas velhas da cidade, com uma primeira paragem junto ao elevador panorâmico ‘Boca do Vento’, que une a parte histórica de Almada aos antigos estaleiros de ‘Olho de Boi’, agora desactivados e transformados em zona de lazer. Muitos participantes desconheciam a existência deste local que permite obter uma panorâmica fabulosa sobre a cidade de Lisboa, ponte 25 de Abril e toda a barra do Tejo.
Depois dos fotógrafos de serviço terem recolhido imagens dos ângulos mais variados, seguimos até ao ‘Núcleo Medieval Moderno’, onde estava prevista uma visita intercalar. Aqui chegados, dividiram-nos em 2 grupos e guiados pelo Sr. Júlio, fomos por ele ilucidados do interesse histórico do local. De origem islâmica, era aqui que essa gente armazenava em silos escavados no solo, muitos dos alimentos que pescavam no Tejo e depois consumiam.
Mas se a panorâmica no miradouro anterior tinha sido fabulosa, que dizer da que se obtém do local que visitámos a seguir, na Alameda do Castelo com uma esplanada ampla sobre o rio. Deslumbrante, magnífico, encantador, fascinante, maravilhoso. Eram estes entre outros os adjectivos que qualificavam o local e ouvidos das bocas dos participantes.
Depois, com alguns pingos de chuva para refrescar e testar a funcionalidade dos guarda chuvas e impermeáveis, lá fomos descendo até Cacilhas, Ginjal e toda a zona ribeirinha. Vítima de degradação incompreensível, há por ali ainda alguns traços raros de beleza e muito trabalho de recuperação para fazer antes que a mesma se torne galopante e irreversível.
Depois veio a subida previamente anunciada, que nos conduziu até ao ponto de partida e dava por finda a caminhada.
Alguém comentava no final do percurso, que desta vez o nosso amigo Gil Furtado, porque iniciou e cumpriu toda jornada pedestre, tinha adquirido e experimentado com sucesso as perneiras com molas que a nossa amiga Maria do Céu Fialho tinha sugerido num comentário da convocatória. Verdade ou não? Pois só o senador Furtado o poderá dizer, mas eu quero acreditar que a inovação resultou.
Agora havia que viajar de carro até à localidade denominada Marisol, onde iríamos recompôr as energias. Acertada a escolha do restaurante, com ementa diferente do habitual, onde o prato nobre da mesma constava de carne grelhada. 'Carvoada' é o nome do prato, e a curiosidade reside no facto de serem os clientes a ter de grelhar os nacos da tenra carne num grelhador de metal que é colocado em cima de cada mesa para 8 pessoas. O inconveniente, foi a falta de jeito demonstrada por alguns dos improvisados ‘grill coockers’, e a impossibilidade de podermos reclamar que a carne estava bem ou mal passada. Outros houve no entanto, que demonstraram uma vocação nata e adaptação ao churrasco deveras impressionante. Claro que para evitar ferir susceptibilidades, escuso-me de referir a quem notei mais ou menos adaptação às funções atrás mencionadas.
Findo o almoço seguiu um grupo para outra visita cultural, desta vez ao Solar dos Zagallos, e outro até à casa do organizador para preparar o chá de final de dia caminhadeiro.
Os nossos amigos Manuel Garcia e a Estela, com toda a amabilidade que os caracterizam, entenderam que desta vez o lanche, que até tinha chá e tudo, deveria ter lugar em sua casa. De entre as várias iguarias e bebidas de muito boa qualidade, há que realçar os 2 bolos de aniversário que compunham a mesa situada no jardim, e que tinham por finalidade comemorar o 68º aniversário do anfitrião e o 66º do Luís Martins. Os parabens a você entoados em versão de cante alentejano por todos os presentes, deram por findo o programa da 16ª caminhada da época.
Saudações Caminhadeiras,

Fortunato de Sousa

quarta-feira, 8 de abril de 2015

* * * Convocatória - 16ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * _Rota do Cristo Rei, Ginjal e dos Tanoeiros - Dia 15 de Abril_

Convocam-se os Caminhadeiros para a 16ª caminhada da época. 
Desta vez vamos abraçar Lisboa desde a margem Sul do Tejo, com partida na Praça do Santuário do Cristo Rei, passando por Almada, Cacilhas, Ginjal e toda a zona ribeirinha com regresso ao ponto de partida.
O percurso é bastante interessante, já que começa com a descida da colina de Almada até Cacilhas, passando depois pela zona ribeirinha onde iremos encontrar áreas de indústria e comércio abandonadas, mas carregadas de interesse histórico.
Os vários miradouros que encontramos ao longo do percurso, serão também um argumento muito forte para os fotógrafos de serviço se munirem do equipamento técnico adequado. para poderem recolher imagens de elevada qualidade. 
O organizador aconselha os participantes a levar binóculos, e bastão que será útil na parte final do percurso.
Programa do dia:
09:15 horas - Concentração no Alto do Pragal junto ao monumento do Cristo Rei
                          (Coordenadas GPS: N 38º 40' 38.424" - W 9º 10' 6.942)
09:45 horas - Início da caminhada com visita às Ruínas Árabes
13:15 horas - Almoço
15:30 horas - Passeio pela praia
17:00 horas - Chá das 5
Como de costume, devem os interessados em participar no evento, fazê-lo através dos comentários desta convocatória até às 12:00 horas da próxima Segunda-Feira dia 13.
Saudações Caminhadeiras em passada urbano ribeirinha,
Manuel Garcia

sexta-feira, 3 de abril de 2015

* * * * * * * 15ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * ____De Novo na Tapada com os Netos . Dia 1 de Abril____




Álbuns de Fotos:
Gil Furtado
Maria da Luz Fialho
Luis Martins I
Luis Martins II
Data do Encontro: 01/04/2015
Local: Tapada Nacional de Mafra
Percurso: 08,000 Kms - 02: 30 Horas
Caminhantes Avós e não Avós (24): Angelina Martins; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Cristina Monteiro; Fortunato Sousa; Gilberto Santos; Graça Sena; João Tovar; José Clara; José Correia; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Lurdes Clara; Luz Fialho; Manuel Garcia; Manuel Reis; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Quinita Sousa; Vitor Gonçalves;
Avós não Caminhantes (2): Gil Furtado; Luísa Gonçalves
Netos Caminhantes (24): Bianca Moura; Catarina Correia; Clara Firme; Daniel Santos; Diogo Correia; Diogo Mateus; Francisco Firme; Frederico de Sousa; Gonçalo Garcia; Inês Morgado; Isabel Morgado; João Pedro Firme; Joana de Sousa; Lourenço Garcia; Manuel Fernandes; Manuel de Sousa; Maria Firme; Mariana Baptista; Marta Firme; Martin Fernandes; Miguel Baptista; Sara Mateus; Sofia Baptista; Tomás Martins;
Netos não Caminhantes (2): Lourenço Furtado; Matias Gonçalves
Organizadores: Fortunato de Sousa e Vítor Gonçalves
Almoço: Pic Nic no Parque da Tapada
Próxima Caminhada: Dia 15 de Abril (Organiza Manuel Garcia)
Reportagem:
Apesar da grande diferença de idade dos participantes, dos 20 meses aos 75 anos, a pontualidade caminhadeira manteve-se.
Depois da habitual foto de grupo e de uma breve explicação de como iria ser a nossa jornada caminhadeira, lá partimos para o percurso previamente escolhido através da magnifica paisagem da Tapada de Mafra, apreciando o panorama e tentando encontrar algum gamo ou javali mais sociável para delícia dos caminhadeiros.
No fim da caminhada, desta vez com uma separação maior entre os primeiros e a última, que foi a Joana de 4 anos acompanhada da avó Kinita, passámos ao picnic com uma logística um pouco diferente, pois os organizadores também são avós e, penitencio-me desde já, pois não consegui organizar o almoço sem primeiro ver como estava o meu neto Matias.
Como muitas vezes acontece, os fins justificam os meios, e isso ficou aqui demonstrado com a boa disposição dos avós, netos e acompanhantes, que depois de bem almoçados lá foram para o passeio de comboio onde para gáudio de miúdos e graúdos, iam aparecendo os gamos, os javalis grandes e alguns com poucos dias de vida, cobertos por um pêlo tipo “pijama” que os acompanhará até aos 6 meses de idade.
A exibição das aves de rapina foi observada por todos, tendo alguns inclusivamente sido protagonista, como aconteceu ao Caminhadeiro-Mor Luís Fernandes, cuja farta cabeleira foi o local escolhido para pouso de um milhafre.
O “Chá” surgiu com alguma confusão prontamente sanada pelos caminhadeiros juniores que tudo resolviam sem protestar.
Chegou a hora das despedidas e bastou ver a alegria dos “netos” para se perceber que esta caminhada foi uma aposta ganha e a repetir sempre que as férias apareçam.
Não podemos fechar a reportagem sem referir a simpatia de todo o pessoal responsável da Tapada de Mafra, a quem “Os Caminhadeiros” agradeceram com a oferta de um troféu, perpetuando deste modo a nossa passagem pela Tapada.
Um até breve com desejos de uma Santa Páscoa para todos os caminhadeiros e familiares,

Vítor Gonçalves

quarta-feira, 25 de março de 2015

* * * Convocatória - 15ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * ____'De Novo na Tapada com os Netos' Dia 01 de Abril____

Estão os Caminhadeiros avós e não avós, com netos e sem netos, convocados para participar na 15ª caminhada da época.
Para a “Caminhada de Avós e Netos” que há uns anos temos vindo a realizar nas férias da Páscoa, decidiram os organizadores que seria muito interessante dar a conhecer aos nossos descendentes o que a Tapada de Mafra disponibiliza a quem a visita. O contacto com a natureza e os programas em tranporte tipo safari tal com a exibição das aves de rapina merecem uma visita onde avós e netos têm de certeza muito a aprender e ensinar uns aos outros.
O programa para o evento da próxima Quarta-Feira dia 1 de Abril é o seguinte:

09:30 horas – Concentração na recepção da Tapada Nacional de Mafra (Portão do Codeçal)
Coordenadas GPS: 38º 57’ 53”  N – 9º 18’ 09” W
10:00 horas – Caminhada (percurso verde de 8 kms)
12:45 horas – Almoço tipo piquenic no parque de merendas (a cargo da organização)
14:30 horas – Visita à Tapada em transporte tipo safari, seguida de exibição de aves de rapina
17:00 horas – Chá de final de dia (desta vez servido no parque de merendas da Tapada.

Os interessados em participar neste evento, devem fazê-lo como de costume através dos comentários desta mensagem, referindo o número de netos que os acompanham e a idade dos  mesmos. Para efeitos de logística associada ao evento, agradecemos que façam as vossas inscrições rigorosamente até ao final do dia do próximo Domingo 29 de Março.
Saudações Caminhadeiras em passada intergeracional,


Fortunato de Sousa

segunda-feira, 23 de março de 2015

* * * * * * * 14ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * ____Trilhos da Lampreia e do Sável - Dia 18 de Março____




Álbuns de Fotografias:
Lúcio Libânio
Maria Do Céu Fialho
Dores Alves
Fortunato de Sousa
Raul Almeida
Maria da Luz Fialho
Luis Martins
Data do Encontro: 18/03/2015
Local:  Constância – Parque Ambiental de Santa Margarida
Percurso: - 09, 500 kms - 03: 00 Horas
Caminhantes: (39) Amílcar Queiróz; Angelina Martins; António Clemente; António Palma; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Dores Alves; Fátima Libânio; Fortunato Sousa; Gilberto Santos; Gil Furtado; Helena Meleiro; João Duarte; João Figueiredo; José Clara; Lina Fernandes; Lúcio Libânio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Lurdes Clara; Luz Fialho; Manuel Flôxo; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Graça; Margarida Serôdio; Maria do Céu; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Pedro Albuquerque; Quinita de Sousa; Raúl Almeida; Rogério Matias; Teresa Palma; Virgílio Vargas; Vitor Gonçalves;
Organizador: Lurdes Clara e Zé Clara
Almoço: Restaurante “O Almourol” (Tel. 249.720.100)
Próxima Caminhada: 01/04/2015 – (Fortunato  de Sousa e Victor Gonçalves)
Reportagem:
Às 9h30m de acordo com a convocatória tinham chegado quase todos os Caminhadeiros junto ao Parque Ambiental de Santa Margarida, onde teve início a nossa caminhada.
Depois das habituais saudações e tirada a foto de grupo, com a pontualidade que nos caracteriza, às 10h00m partimos para um percurso de cerca de 9Kms. Tivemos sempre por perto o S. Pedro que apesar das ameaças nos protegeu da chuva. A determinada altura do percurso fomos confrontados com uma descida austera, mas com o apoio do caminhadeiro “mor” Vitor e do organizador conseguimos minorar a dificuldade. O nosso estimado amigo João Duarte sofreu uma queda, que apesar de aparatosa não teve consequências graves. Aproveitamos para lhe desejar uma rápida recuperação.
Mais adiante, depois de uma merecida pausa, o grupo separou-se, optando os mais ousados por seguir junto ao leito da Ribeira da Foz e que de acordo com os comentários valeu bem a pena o desvio, pela paisagem que puderam desfrutar, embora com algumas escorregadelas com direito a molha involuntária. Depois do grupo se ter reunido de novo e antes do final da caminhada, esperava-nos a subida mais difícil, mas que heroicamente foi superada por todos. Atenção: finalmente tivemos a companhia do Gil Furtado depois de algumas ausências a caminhar, mas ao ter conseguido acompanhar-nos do princípio ao fim, não vai ter perdão para futuras faltas.
Por fim, com a sensação de caminhada cumprida, partimos em caravana para o restaurante “O Almourol” onde fomos recebidos com a habitual simpatia do Sr. José Ferreira e seus colaboradores, com um beberete acompanhado de agradáveis aperitivos e com uma prova de azeite, seguido do merecido e desejado almoço de sável, lampreia e grelhada mista, todos com nota francamente positiva. Depois da sobremesa o caminhadeiro Gilberto, acabado de chegar de Curaçau presenteou-nos com um belíssimo licor “Curaçau Azul” que fez as delícias de todos. Tivemos também um pequeno mimo (mel) da região dos organizadores. E o café foi acompanhado com deliciosa casca de laranja cristalizada gentilmente oferecida pela nossa amiga Luisa Clemente. Aproximava-se a hora da nossa visita cultural pelo que regressámos ao Parque Ambiental de Santa Margarida para a visita ao Borboletário Tropical. Aí esperava-nos para uma visita guiada o Engº Tiago e a Bióloga Sónia que tão sabiamente nos elucidaram do ciclo de vida das borboletas seguida de uma visita ao seu habitat. Para finalizar a jornada regressámos ao restaurante onde tinhamos almoçado para aí tomarmos o habitual chá acompanhado de bolos variados muito saborosos.
Por fim rumámos aos nossos lares, já a pensar na nossa próxima caminhada em que teremos o privilégio de ter por companhia os nossos futuros seguidores.
Saudações Caminhadeiras,

José Clara/Lurdes

quarta-feira, 11 de março de 2015

* * * * * * * Convocatória - 14ª Caminhada da Época * * * * * * * _____ Trilhos da Lampreia e do Sável - Dia 18 de Março _____

Convocam-se todos os Caminhadeiros para a 14ª Caminhada da época, que se irá realizar próximo do Campo Militar de Santa Margarida – Constância.
O percurso é de cerca de 9 kms com grau de dificuldade médio, para o qual se aconselha o uso de bastão. O almoço, à semelhança do ano passado, terá lugar no restaurante "O Almourol". 
Por questões de logística, agradece-se que aquando da inscrição, façam a escolha do prato que desejam de entre os três seguintes: Arroz de lampreia, Sável frito com açorda de ovas, e para quem não morre de amores por estas duas opções, tem a alternativa de grelhada mista.
Local de concentração:  Junto ao Parque Ambiental de Santa Margarida.  Coordenadas GPS:   N 39º 26’ 45,585”; W 8º 19’ 9,010”.
Como chegar:
Pela A1 sentido S/N sair para a A23 em Torres Novas. Deixar a A23 na saída 6 (Constância Oeste/Praia do Ribatejo). Passar próximo da ponte sobre o rio Zêzere junto a Constância e seguir em direcção a Praia do Ribatejo. Atenção que cerca de 400 metros depois tem que se virar à esquerda na placa com indicação:  (Parque Ambiental, Tramagal). A partir daí, depois de passar a ponte de ferro/rodoviária, seguir as placas com indicação Parque Ambiental.
Hora de concentração: 09h30m
Almoço: 13h00m
Visita Cultural: 15h30m
Chá de final de jornada: 17h30m
Os interessados em participar no evento, como de costume, devem fazê-lo através dos comentários desta convocatória até às 24 horas do próximo Domingo.
Boa viagem e esperamos que o S. Pedro continue connosco.
Saudações Caminhadeiras,

José Clara

quinta-feira, 5 de março de 2015

* * * * * * * 13ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * ___De Novo na Tapada de Mafra___Dia 04 de Março ___




Álbuns de fotos:
Maria do Céu Fialho
Miguel Cardoso
Gil Furtado Part I
Gil Furtado Part II
Dores Alves
Maria da Luz Fialho
Fortunato de Sousa
Gabriela Bentes
Luis Martins
Carlos Evangelista
Data do Encontro: 04/03/2015
Local: Tapada Nacional de Mafra
Extensão e duração do percurso: 08, 000 kms – 02:30 hoas
Caminhantes:(32) Angelina Martins; António Dores Alves; Carlos Evangelista; Carlos Penedo;  Carmen Firme; Cidália Marta; Fortunato de Sousa; Graça Sena; João Costa; João Figueiredo; José Clara; Quinita de Sousa; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Lurdes Clara; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Maria do Céu Esteves; Maria do Céu Fialho; Maria da Luz Fialho; Margarida Graça; Miguel Cardoso; Nela Costa; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Rogério Matias; Teresa Palma.
ao Almoço:(4) António Clemente; Gabriela Bentes; Gil Furtado; Virgílio Vargas.
Almoço: Picnic no Parque de Merendas da Tapada Nacional de Mafra
Chá: Fábrica de Trouxas da Malveira
Próxima Caminhada: 18/03/2015
Reportagem: O ouro que chegava a rodos do Brasil nos inícios do século XVIII, permitiu ao rei vigente “D. João V - o Magnânimo” (com os bolsos recheados de guito qualquer um é generoso) os maiores devaneios e uma enorme criatividade, de modo a esbanjar grande parte do dinheiro proveniente da venda do precioso metal. Prova disso, foi a construção do Palácio Nacional de Mafra, em virtude de uma promessa que fizera à rainha sua mulher, caso esta lhe desse descendência. Com os trocos que lhe sobraram, ainda criou em final do seu reinado a Tapada Nacional contígua ao Palácio. Com uma área de 1187 hectares, tinha como objectivo ser uma zona de lazer vocacionada para a caça e entretenimento da família real e da nobreza.
Convém dizer que este abastado rei não ficou apenas conhecido pela sua faceta magnânima, mas também pelo “Rei Sol Português” e ainda pelo “Rei Freirático” ou simplesmente “ O Papa Freiras”. Para quem dúvidas tiver da sua gula carnal eclesiástica feminina,  perguntem a quem sabe, de onde vem a fama da marmelada de Odivelas e do pudim da madre Paula.
Depois desta breve introdução e de um pouco de má lingua que tão bem caracteriza o nosso nobre povo, vamos ao que nos interessa que é a magnífica jornada caminhadeira realizada ontem na Tapada de Mafra.
Das 35 inscrições formalizadas nos comentários da convocatória, tivemos na hora da verdade 34 presenças e umas pequenas alterações: A Júlia Costa e o Virgílio Vargas não poderam comparecer, mas o Pedro Albuquerque veio acompanhado da Lídia. O António Clemente que se apresentou lesionado na mão direita e o pseudo caminhadeiro Gil Furtado, ainda iniciaram a caminhada, mas passado algum tempo acharam por bem regressar ao ponto de partida.
Portanto, só 32 sortudos Caminhadeiros tiveram oportunidade de desfrutar da beleza embriagante da paisagem, e do Sol aberto que nos ia aquecendo o corpo e iluminando a alma. Bastava ouvir as conversas e olhar o semblante dos participantes, para  deduzir que tudo tinha que resultar num grande dia Caminhadeiro.
Mais ou menos a meio do percurso, veio o Luís Fernandes comunicar que o nosso Caminhadeiro Mor Victor Gonçalves tinha enviado uma mensagem a desejar a todos uma boa caminhada. Obrigado Victor, gritou em uníssono o grupo. - E o Gilberto não veio porquê, perguntou alguém. - Ah, o Gil está de férias lá muito longe, mas acho que para a próxima já cá está. – Bem, é que o lugar dele na frente do grupo está a ser muito bem representado pelo Octávio Firme. – Pois é, não sei qual o mistério, mas o Firme agora não sai do pelotão da frente. – Perguntem à Carmem que ela diz o segredo, disse em tom também ‘firme’ uma voz feminina.
Era meio dia e meia hora quando terminámos o percurso verde da Tapada de Mafra. À nossa espera, lá estavam o Gil e o António Clemente, mas já com a companhia pré anunciada do Virgílio Vargas e da presença surpreendente da nosso amiga Gabriela Bentes.
Agora, era chegada a hora de confirmarmos se as cestas de verga com almoço tipo picnic acabado de chegar, estavam de acordo com o que tinha sido transmitido aos organizadores. À cautela, como entrada, foram servidas bebidas frescas e uns tapas simples não fosse o diabo tecê-las. As Caminhadeiras e os Caminhadeiros iam retirando as várias caixinhas dos cestos e as expectativas foram totalmente ultrapassadas quando terminou o animado repasto picniqueiro.
Com pena nossa e talvez delas, não tivemos a companhia das manas Fialho no restante programa do dia, pois tiveram que se ausentar após o almoço.
Segiu-se a visita à Tapada em viatura apropriada. O mau estado do caminho, permitiu balançar as pedras renais dos que desse mal sofrem ou mesmo eliminá-las de todo. O condutor que ao mesmo tempo serviu de guia, ia-nos dando conhecimento da variedade de fauna e flora que ia-mos encontrando e das áreas periféricas.
Segiu-se aquela que foi a cereja em cima do bolo do programa do dia. Uma exibição de aves de rapina muito bem conduzida pelo falcoeiro Isidro Santos. A exibição da coruja das torres e a envergadura e rara beleza da coruja da Lapónia encantaram a audiência. Quanto à águia, o seu comportamento exibicionista foi visto e avaliado de modo diferente, de acordo com a côr clubista do avaliador. Faltou aqui a presença do Caminhadeiro João Duarte, que com a neutralidade que o caracteriza neste contexto, seria a figura ideal para arbitrar o diferendo.
Terminado o programa na Tapada, seguimos até à Malveira, onde nos esperava um chá quentinho acompanhando as típicas trouxas de ovos desta terra saloia.
E foi assim que terminou o programa da 13ª caminhada da época 2014 / 2015.
Saudações Caminhadeiras em meu nome e da minha colega e amiga organizadora Odete Vicente,

Fortunato de Sousa