terça-feira, 14 de Outubro de 2014

* * * * Convocatória - 4ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * _________ À volta do Alviela - Dia 22 de Outubro ________

Convocam-se os Caminhadeiros para 4ª caminhada da época, para um percurso de aproximadamente 12 km, À Volta do Alviela, sem dificuldades na maior parte. 

Programa:
09:00 horas - Concentração no parque da praia fluvial do Alviela. (39º 26' 37" N; 08º 42' 40" W) ou seguindo o mapa
09:15 horas - Inicio da caminhada
13:30 horas - Almoço no Mal Cozinhado na povoação de Monsanto, a 5.5 km de automóvel.
15:30 horas - Visita guiada ao Carsoscópio (duração de hora e meia).
17:00 horas - Regresso ao Mal Cozinhado para lanche.

Os interessados em participar no evento, devem fazê-lo através dos comentários desta mensagem até ao final de Domingo dia 19 de Outubro.


Saudações Caminhadeiras em passada fluvial

Lúcio Libâneo 

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

_________ 3ª Caminhada da Época 2014 / 2015 _________ ________ Caminho das Almas - dia 08 de Outubro _______




Albuns de Fotos:
Data do Encontro: 08/10/2014
Local: S.Julião (Sintra)
Percurso: 10, 000 kms; 03: 00 Horas
Caminhantes: (35) Lídia e Pedro Albuquerque, Dores Alves, Gabriela Bentes, Miguel Cardoso, Lurdes e José Clara, Nela e João Costa, João Duarte, Maria do Céu e Manuel Pedro, Lina e Luís Fernandes, Maria da Luz Fialho, João Figueiredo, Manuel Floxo, Gil Furtado, Manuel Garcia, Vítor Gonçalves, Fátima e Lúcio Libânio, Angelina e Luís Martins, Rogério Matias, Helena Meleiro, António Palma, Teresa Palma, Carlos Penedo, Amílcar Queirós, Manuel Reis, Gilberto Santos, Fortunato e Quinita Sousa, Virgílio Vargas.
Organizador: Angelina e Luis Martins
Almoço: Restaurante Bisk8 – tel. 219 611 668
Reportagem: 
Pois é! Isto de preparar uma caminhada não é coisa fácil e isenta de preocupações. Já uns dias antes nos vínhamos preparando para umas horitas de caminhada bastante húmida. Até porque vinha chovendo de vez em quando. Não é que a chuva fosse preocupação; o que não é nada agradável é a lama que, agarrada ao nosso calçado, com o seu peso e o incomodativo e escorregadio ‘tchac…tchac’ nos vai dificultando a habitual progressão leve e desportiva das nossas caminhadas. Quando, bem cedo, nos levantámos e olhámos para o céu, não ficámos, como dizer… descansados… mas também não totalmente desanimados. Uma réstia de esperança ao lado de uma réstia de sol deram-nos uma boa perspectiva para o dia caminhadeiro que se ia iniciar. Com as pêras já ensacadas e prontas a ser distribuídas, lá partimos para sermos os primeiros a chegar pois queríamos receber com todas as honras os nossos amigos caminhadeiros. Se bem o pensámos e preparámos, melhor o fizemos, como dizem as estórias infantis. À medida que eles iam chegando – ‘Eh. João, há quantos meses não te via. Como vai o Benfica?’ – e os íamos cumprimentando, também nos íamos divertindo oferecendo uns saquitos de pêras Rochas que tínhamos tido o prazer de ter colhido na antevéspera. ’Olhem o Manel Floxo que também veio! Dá cá um braço, rapaz’.’ E a Lena que também deixou o seu Porto para nos vir acompanhar a trazer a sua companhia!’.’ Bom, tomem lá umas pêrinhas para a caminhada!’ – e Bom! Se não fossem os acasos da vida e sete dos nossos fiéis e costumeiros amigos não terem podido vir teríamos sido um belo grupo de cerca de quarente e dois caminhadeiros a calcorrear terras de S.Julião e Carvoeira.
Apesar de, como se disse, a previsão meteorológica ser bastante sombria e desanimadora e de o amanhecer ter sido nebuloso e pouco simpático, o grupo dos Caminhadeiros não se assustou e, como é seu lema, à hora marcada já estavam todos prontos para iniciar a 3ª Caminhada da época 2014-2015. Partindo do parque de estacionamento da pequena aldeia de S.Julião, ao sul da Ericeira, atacámos uma subida de ‘dificuldade média-baixa’ que era o início do ‘Caminho das Almas’. Embora não saibamos o porquê desta designação, disseram-nos que existia uma tradição com alguns anitos de fazer em determinado dia do ano uma caminhada que, unindo avós e netos, os levava de Valbom até à Capela da Senhora do Ó e que este ano fora aumentada partindo de S.Julião. Aproveitámos esse percurso e estendemo-lo um pouco mais para nosso deleite perante panoramas tão deliciosos. Essa pequena subida inicial não assustou ninguém e, na Baleia, parámos na ‘Sociedade Recreativa da Baleia, Barril e Valbom’ para reagrupamento que alguns caminhadeiros mais rápidos  aproveitaram para se dessedentar. No nosso estilo muito particular de não olhar para o relógio nem para o conta-quilómetros, lá nos fizemos de novo ao caminho em que os mesmos iam sendo percorridos na cadência e cavaqueira habituais.
Junto à Capela da Senhora do Ó aproveitámos para fazer uma pequena paragem e por breves momentos se referiu que há cerca de duzentos anos, aquando das ‘Guerras Peninsulares’ – vulgo Invasões Francesas – o rio Lizandro era navegável até perto da Capela pelo que existe, bastante perto e acima dela, o Forte do Zambujal – obra nr.95 – que foi edificado propositadamente para proteger a entrada desse pequeno porto, não fossem os franceses usá-lo para contra-atacar. É por isso que a capela se chama na realidade ‘Capela de Nossa Senhora do Ó do Porto’.     
E sem saber bem como, tínhamos percorrido os dez quilómetros e uns pózinhos. E sempre sem que o ‘céu nos caísse em cima’. Um ‘bem-haja’ mais uma vez ao nosso caminhadeiro honorário – S.Pedro.
No Restaurante Bisc8, ali entre a Terrugem e Odrinhas, retemperámos forças com uns bacalhauzitos – à Bisk8 e com Broa – e umas grelhadas mistas que nos deixaram deliciados e bem dispostos. Até porque o serviço foi impecável (simpático e profissional) e os pratos satisfaziam em qualidade e quantidade. Bem-haja, sr.João Varandas (pessoa com quem tínhamos contactado).
E lá partimos prontos para a nossa tarde cultural no Museu Arqueológico de S. Miguel de Odrinhas. Aqui para nós que ninguém nos ouve, estávamos com um pouco de receio de que o tema – romanos, pedras, túmulos etc. – se tornasse algo pesado. Mas a simpatia e a paciência, o saber, o gosto e a forma de se exprimir da nossa guia Dra. Sandra Leitão conseguiu actuar como um bom digestivo e a hora e meia da visita passou também sem darmos por isso e sem que as pessoas se afastassem.
Seguiu-se o chá servido no Café do Museu pela D. Tânia Varandas, do qual já tínhamos tido uma pré-visão antes de entrarmos no museu e que, temos que acreditar, não ficou nada a dever aos chás (???) que possivelmente os nossos amigos romanos bebiam; e se eles gostavam bastante de comer e beber. E provámos pela primeira vez uma iguaria deliciosa que ela nos apresentou: o bolo de Caril. Gostámos muito.

Mais uma vez nos juntáramos e, mais importante que tudo, convivêramos. E estamos à espera do novo encontro que já tarda em acontecer.

Saudações caminhadeiras
Angelina e Luis Martins

quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

* * * * Convocatória - 3ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * Caminho das Almas - Dia 08 de Outubro

Esta 3ª caminhada – em 08 de Outubro próximo - irá realizar-se perto da Ericeira, sobre a margem sul do rio Lizandro, em terras de S.Julião. Já em tempos se tentou fazer um percurso semelhante mas o S. Pedro, nessa altura, não colaborou.
Embora de dificuldade média baixa aconselha-se o uso de bastão, sobretudo se as condições atmosféricas não ajudarem.
Sugere-se a concentração pelas 09h00 no parque de estacionamento junto à capela de S.Julião. Para se lá chegar aqui ficam algumas sugestões:
            1ª - Coordenadas GPS - N 38º 56’ 5.03"    W 09º 25’ 9.27"
           2ª - usar a IC19 - quase no fim desta sair para a direita e seguir para Ericeira pela N247, passar Vila Verde, Terrugem, Odrinhas e Santa Susana e, em Baleia, virar à esquerda para S.Julião (onde há indicação)
            3ª - usar a A21 - após as portagens da Ericeira sair na 4ª saída (para a Ericeira); no fim da descida (no cruzamento) virar à esquerda em direcção a Sintra; passar por Carvoeira e em Baleia (onde há indicação) virar à direita para S.Julião
A caminhada deverá iniciar-se pelas 09h30 partindo desse mesmo parque de estacionamento.
Como vem sendo hábito agradece-se que os interessados se inscrevam até às 24h00 do próximo domingo dia 05.
Saudações caminhadeiras em passada jagoz.

Luis Martins

terça-feira, 30 de Setembro de 2014

*************2ª Caminhada da Época 2014 / 2015 ************* - Sitio das Hortas - dia 24 de Setembro

Local: Alcochete
Percurso: Sitio das Hortas - 12, 000 kms - 03: 00 Horas
Caminhantes: (37) Amílcar Queiróz; Angelina Martins; António Clemente; Antonieta Faria; António Palma; Carlos Penedo; Carmen Firme; Dores Alves; Fátima Libanio; Fortunato de Sousa; Gabriela Bentes; Gil Furtado; Gilberto Santos; Graça Sena; João Figueiredo; José Clara; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Lúcio Libanio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Lurdes Clara; Manuel Pedro; Manuel Reis; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Pedro Coelho; Quinita Sousa; Rogério Matias; Teresa Santos; Virgilo Vargas; Vítor Gonçalves;
Organizador: Rogerio Matias
Almoço: Sitio das Hortas (campestre)
Próxima Caminhada: 08/10/2014 – (Luis Martins)
Reportagem:

Em primeiro lugar peço desculpa pela alteração do percurso de ultima hora devido às razões referidas.
Em segundo lugar quero agradecer a todas as amigas caminhadeiras e amigos caminhadeiros a vossa presença.
Realizou-se mais uma caminhada, onde todos os participantes puderam desfrutar de um dia diferente do nosso quotidiano.

A concentração foi marcada para as 9h24 no parque do Sitio das Hortas. Parabéns a todos pela pontualidade.
Depois das fotos da praxe, deu-se inicio à caminhada e logo os mais rápidos tomaram a sua dianteira.
Os caminhadeiros, com grande alegria e convívio, não se negaram a percorrer os 12 Km. 
Durante o percurso fomos acompanhados e apoiados pelo Sr. Joaquim Silva, colaborador da Herdade da Barroca d'Alva.
O nosso S. Pedro, que na caminhada anterior pregou-nos a partida, proporcionou um belo dia, o que desde logo, ajudou na caminhada e no convívio!
Foram feitas algumas pausas para reagrupar e carregar baterias.
Como seria de esperar, depois de respirarmos um ar de carácter tão puro, o nosso palato começou a salivar, pelo almoço que se avizinhava.

O almoço composto por grelhados mistos, suculentos e muito saborosos, decorreu no parque do Sitio das Hortas, foi servido e confeccionado pela família Silva, cuja simpatia e disponibilidade foi inexcedível, agradando à maioria dos caminhadeiros.
Findo o bom repasto, deu-se inicio à visita cultural, tendo com guia turistica a Drª   Paula Machado, do pelouro de turismo da Câmara Municipal de Alcochete, que nos deu a conhecer a historia da vila de Alcochete.


Começamos por visitar a Igreja Matriz de Alcochete

A Igreja de São João Baptista, matriz de Alcochete, foi declarada Monumento Nacional por decreto de 16 de Junho de 1910







Em seguida visitámos os largos:

S. João, António Santos Jorge, da República e do Troico.


E por ultimo a Igreja da Misericórdia.

Construção ampla e de arquitectura simples.
Tempo fundado no século XVI 










Finalmente chegou a hora do chá que decorreu no Restaurante Alternativa numa amena cavaqueira, salpicada pelo doce do bolinho e o perfume do chá.








E assim se chegou ao final da nossa viagem.

Que bom é ver todos juntos. Este é o grande simbolismos das nossas caminhadas, onde predomina a presença afectiva, amiga, partilhada, o convívio e o enriquecimento cultural.
Não devemos entregar-nos à idade da introversão e da introspecção, por isso apelo a que não deixemos de nortear os nossos passos para um compromisso de rejuvenescimento e motivação.

Cansados mas deliciados regressamos a casa para um merecido descanso.



O meu muito obrigado a todos

BEM HAJAM

Rogério Matias

Estaremos de volta a 8 de Outubro

Vive o melhor de ti

Agradecimentos:

- À Drª Paula Machado, guia cultural da Câmara Municipal de Alcochete
- Ao Sr. Joaquim Silva e Família, colaboradores da Herdade Barroca d'Alva, pela sua             disponibilidade, dedicação e simpatia, sem eles não seria possível a realização desta simples caminhada

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

* * * * Convocatória - 2ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * Caminhos da Barroca D'Alva - Dia 24 de Setembro

Convocam-se os Caminhadeiros para a 2ª Caminhada da época, que constará do seguinte programa:

HERDADE DA BARROCA D’ALVA

SITIO DAS HORTAS

A Herdade da Barroca d'Alva, com cerca de mil e seiscentos hectares, é propriedade do Eng.º José Samuel Lupi, afamado cavaleiro tauromáquico.
Originariamente a Barroca d’Alva cresceu impulsionada pela forte migração de trabalhadores rurais que se dedicavam à extracção de cortiça, à produção de arroz, milho e criação de gado, mantendo, ainda hoje um forte cariz agrícola.
A criação de cavalos de toureio e toiros bravos é a actividade de maior realce na herdade.
Destaca.se também, como atracção, a Ermida do Vale de Santo António da Ussa, datada do século XV e a Capela de Nossa Senhora das Graças, erigida pelos Viscondes de Alcochete.

                     ATENÇÃO - ALTERAÇÃO DO LOCAL DE CONCENTRAÇÃO

Devido a contingências de ultima hora e alheias à organização o local da concentração e da caminhada teve de ser alterado.

Distancia  a percorrer: 10Km
Duração 3h
Programa:
·        9h24 encontro na Herdade Sitio das Hortas
·       13h24 Almoço “Campestre”
·       15h24 Inicio do passeio Cultural, guiado pela Drª Paula Nobre, percorrendo algumas ruas da vila de Alcochete, visitando pontos de referencia , nomeadamente: Igreja Matriz, Núcleo de arte Sacra, Museu Barrete Verde
·        17h24 Chá
Como chegar:
1.      Seguir pela Ponte Vasco da Gama em direcção Alcochete
2.    Na primeira rotunda tome a direcção de Pegões /Barroca d’Alva Alcochete centro
       Depois de passar o Free Port seguir as placas - Sitio das Hortas
3.    Percorridos cerca de 1,5 Km virar para a Herdade e estacionar.

   Clicar ----> mapa  
   Novo Mapa
   Coordenadas N38º44'04,2" W8º53'37,2" (n 38,734493  w -8,893718)
   Novas coordenadas N38º45'37,4" W8º56'15,2"

As inscrições terminam no Domingo 21 ao fim do dia.

Boa viagem!

Saudações Caminhadeiras em passada campestre,

Rogério Matias

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

* * * * * * * * 1ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * * * * * Pelos Trilhos de Monsanto . Dia 10 de Setembro




Álbuns de Fotos:
Data do Encontro: 09/09/2014
Local: Lisboa
Percurso: Trilhos de Monsanto - 09, 000 kms - 03: 00 Horas
Caminhantes: (39) Amílcar Queiróz; Angelina Martins; António Clemente; Antonieta Faria; António Palma; Bia Namora; Carlos Penedo; Carmen Firme; Dores Alves; Fátima Libanio; Fortunato de Sousa; Gabriela Bentes; Gil Furtado; Gilberto Santos; Gonçalo Garcia; Graça Sena; Hugo Furtado; João Figueiredo; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Lúcio Libanio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Manuel Fernandes; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Serôdio; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Maria da Luz Fialho; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Quinita Sousa; Rogério Matias; Vítor Gonçalves;
Organizador: Fortunato de Sousa
Almoço: Restaurante ‘O Jugo do Lavrador’ (Tel. 245.469.129)
Próxima Caminhada: 24/09/2014 – (Rogério Matias)
Reportagem:
Com a caminhada da passada Quarta-Feira na Serra de Monsanto, iniciámos a 8ª época consecutiva da vida dos Caminhadeiros.
Por norma a caminhada que dava o arranque à nova época era realizada no Alentejo, por razões que tinham a ver com o baixo índice de dificuldade dos percursos ali efectuados. A Graça do Divôr com o percurso totalmente plano da ecopista do antigo ramal de Mora, foi durante os primeiros anos da nossa actividade, o palco escolhido para queimar as calorias acumuladas no defeso caminhadeiro. Até que certo dia de Setembro do ano 2011, fomos à herdade da Ervideira perto de Reguengos de Monsaraz iniciar a época 2011 / 2012.  Acontece que, para mal dos bocados de quem lá esteve presente, o dia 14 desse mês de Setembro, foi dos dias mais quentes do ano. 40º celsius a partir do meio dia, caminhando em plena planície alentejana desprovida de arvoredo, ficará para sempre na memória das vítimas caminhadeiras participantes, como um dos dias mais sofridos da vida de Caminhadeiro. Foi a partir desse factídico dia que, o organizador da caminhada e autor destas linhas decidiu que nunca mais voltaria a planear uma caminhada de início de época no seu Alentejo.
Portanto, nos dois últimos anos, para iniciar a nova época decidimo-nos sempre por um local próximo de Lisboa e do mar. Monsanto e a aldeia da Mata Pequena entre Mafra e a Ericeira foram os locais escolhidos.
Ora acontece que este ano, fomos brindados pelo nosso santo proctetor Pedro, com uma rega Setembrina que não lembrava ao diabo, quanto mais a nós Caminhadeiros. Foi talvez a compensação da canícula da Ervideira, mas com 3 anos de atraso. Dar início a uma nova época equipados de impermiáveis e de guarda chuva em punho, será uma boa recordação para quem lé esteve presente. Dizia o Manuel Reis logo muito aplaudido pelo Gil Furtado, que toda a nossa fé ou crença nos poderes sobrenaturais de S. Pedro, estavam desde agora literalmente desmistificados. Por mim, fico a aguardar o que o futuro nos reserva e depois logo me pronunciarei.
Quanto à participação no 1º evento, com quase 40 presenças, podemos dizer que ultrapassou em muito as expectativas. O grupo está consolidado e como dizia a Maria do Céu Fialho, ninguém pára os Caminhadeiros.
O pessoal que respondeu à convocatória foi chegando ao Parque da Serafina, cumprimentos do costume e perto das 10:00 horas todos estavam prontos e alinhados para a foto de grupo. O organizador deu a conhecer o programa do dia e as dificuldades que teve em conseguir marcar local para o almoço, visita cultural e salão de chá. Só a colaboração preciosa do António Dores Alves e do Carlos Penedo permitiram que o 1º dia de caminhada tivesse terminado com sucesso absoluto.
Assim, durante o percurso de 9 kms em pleno pulmão de Lisboa, lá fomos caminhando e tagarelando como de costume, sob a liderança do Pedro Albuquerque, que conhecendo o local como a palma das suas mãos, em muito ajudou o Balão de Sousa e o Carlos Penedo na escolha do caminho. À medida que o tempo ia passando, também as condições meteorológicas iam melhorando, de modo a aliviar os participantes do equipamento de inverno para outro mais adequado à época do ano. No final do percurso, dividiu-se o grupo em dois, causado por um erro de comunicação entre o Carlos Penedo e o Pedro Albuquerque.
Eram já 13:00 horas quando demos por terminada a caminhada, e após mudança de roupa molhada para seca ou enxuta, lá seguimos em direção ao almoço no restaurante ‘Jugo do Lavrador’. Já conhecido da maior parte dos participantes, mais uma vez o proprietário Sr. Francisco nos serviu como é seu hábito. Boa confeção, serviço acolhedor e boa relação preço qualidade. Durante o almoço, tivemos a companhia da Elsa Garcia e das suas 3 filhas gémeas, que são também a filha e as netas do nosso amigo Manuel Garcia.
Serguiu-se a visita cultural ao Museu Nacional de Etnologia, onde tivemos oportunidade de visitar 2 interessantes exposições. Uma temporária sobre ‘Artes de Pesca e Pescadores’ e outra permanente denominada:‘ O Museu, muitas Coisas’, versando 7 temas diferentes.
Como de costue terminámos o dia com uma sessão de chá. Desta vez o local escolhido foi  uma pastelaria muito agradável em frente ao Estádio do Restelo, onde aqui sim, o nosso santo protector Pedro mandou parar a chuva, enquanto saboreavamos o chá e uns deliciosos bolos caseiros.
Após a tomada do chá cumpriu-se o programa do dia, regressando cada família de Caminhadeiros a suas casas.
Saudações Caminhadeiras em passada retardada,

Fortunato de Sousa

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

* * * * Convocatória - 1ª Caminhada da Época 2014 / 2015 * * * * Pelos Trilhos de Monsanto . Dia 10 de Setembro

Passados quase 2 meses de defeso, eis chegado o momento de regressarmos mais uma vez à nossas inigualáveis aventuras Caminhadeiras. As férias devem ter proporcionado o armazenamento de alguma adiposidade física e poluição espiritual, pelo que devemos agir de imediato no sentido de repôr o equilíbrio destas 2 componentes. Portanto, preparem as vossas mochilas e o equipamento adequado para cumprirmos a 1ª caminhada da época 2014 / 2015.
Para início das actividades escolhemos mais uma vez a Serra de Monsanto, onde efectuaremos um percurso com grau de dificuldade baixo, indo assim ao encontro da vontade e do interesse da maioria dos participantes.
A concentração terá lugar no parque de estacionamento do "Parque Recreativo do Alto da Serafina" às 09:30 horas. 
Coordenadas GPS: N 38º 44' 4,69” – W 9º 10' 44,41”.
Como vem sendo hábito, devem os interessados em marcar presença neste 1º evento, utilizar os comentários desta mensagem até ao final do dia da próxima 2ª-Feira dia 08.

Saudações Caminhadeiras em passada de início de época,

Fortunato de Sousa

Caminhadeiros Solidários - Liga Portuguesa Contra o Cancro



No passado dia 24 de Julho, cumprimos uma nova acção de "Solidariedade Caminhadeira". Para o efeito, o Dores Alves, o Manuel Pedro, o Fortunato de Sousa e a Quinita, deslocaram-se às instalações da Liga Portuguesa contra o Cancro no IPO, onde nos esperava a Teresa (esposa do Dores Alves), que ali presta acções de voluntariado.
Foi entregue um cheque no valor de € 350,00 na secretaria da Liga, verba esta proveniente da receita obtida no sorteio do quadro oferecido pelo Dores Alves e o restante subtraído ao nosso fundo de maneio.
Saudações Caminhadeiras em passada Solidária,

Fortunato de Sousa

terça-feira, 8 de Julho de 2014

* * * 2ª Caminhada Extraordinária da Época 2013 / 2014 * * * Rota da Marateca - Fundão . Dias 04, 05 e 06 de Julho




Álbuns de Fotos:
Gil Furtado
Maria do Céu Fialho
Luis Martins
Tomaz Pessanha
Lúcio Libanio
Dores Alves
Lurdes Barbosa
Virgílio Vargas
Maria da Luz Fialho
Raul Almeida
Data do Encontro: 04, 05 e 06/07/2014
Local: Fundão – Rota da Marateca
Percurso: 12, 000 kms – 03:00 Horas
Organizadores: Fortunato de Sousa; Luís Fernandes e Victor Gonçalves
Caminhantes: (52)
Ana Almeida; Ana Leão; Angelina Martins; António Palma; António Pires; Carlos Penedo; Carmen Firme; Chico Pires; Cristina Archer; Dores Alves; Estela Garcia; Fátima Libanio; Fortunato de Sousa; Gabriela Bentes; Gil Furtado; Gilberto Santos; Gonçalo Garcia; Helena Meleiro; Hélia Jorge; João Costa; João Duarte; Juan Archer; Júlia Costa; Lidia Albuquerque; Lina Fernandes; Lúcio Libanio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Gonçalves; Lurdes Barbosa; Lurdes Clara; Manuel Barbosa; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Margarida Graça; Maria do Céu; M. do Céu Fialho; M. da Luz Fialho; Nela Costa; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Quinita Sousa; Raúl Almeida; Rogério Matias; Rui Graça; Teresa Palma Duarte; Teresa Santos; Tomáz Pessanha; Victor Gonçalves; Virgílio Vargas; Zé Clara.
Participantes não Caminhantes: (3) Carlos Evangelista, Teresa Dores Alves; Tina Evangelista.
Almoço: Parque de Merendas de Sta Luzia no Fundão
Próxima Caminhada: 10/09/2014
Reportagem:
Dia 4.7
A excursåo partiu atrasada, porque o nosso amigo José Timóteo fez mal as contas e chegou ao objectivo uma hora depois do suposto.
Durante a viagem, foram assim frequentes e pungentes os telefonemas do senhor Diamantino, que nao sabia quando havia de por os filetes a fritar!
Lä chegämos por fim ao Fonte Nova... com uma hora de atraso, mas a horas de assistirmos à eliminação da Colômbia pelo pré-campeåo Brasil.
Dia 5.7
No trajecto de autocarro para a Soalheira tivemos a oportunidade de conhecer a nossa simpática guia, a "amiga Olga", que, depois de se apresentar, nos foi logo dando informações sobre a paisagem, a economia, as tradições da Gardunha.
Na Soalheira, a caminhada teve uma falsa partida, pois a Olga, não sabendo de que cepa são feitos os Caminhadeiros, queria levar-nos pelo caminho mais curto. As lebres tiveram que voltar para trás.
(Re)partimos então do largo da vila, depois da foto colectiva da praxe, junto ao monumento ao sapateiro.
A única subida do percurso era mesmo dentro da povoação. Mas foi já em pleno campo que se ouviu a voz do Luís Martins (?), via rádio: “As tartarugas acabaram de passar o chafariz”.
Após uma primeira parte “a seco”, onde a paisagem por vezes mostrava que o Alentejo começa ainda na Beira Baixa, começámos a bordejar a barragem de Santa Águeda (ou da Marateca). A temperatura estava amena e, mesmo quando começou a subir, foi acompanhada por uma brisa ligeira muito agradável. (Em todo o caso, houve um, mais encalorado, que não resistiu a ir tomar banho!)
Mesmo assim, escusado será dizer qual foi a escolha do grupo, quando confrontado com a alternativa de, ao fim de 12 km, fazer mais dois ou aguardar o autocarro… Aproveitando uma abençoada sombra, logo variadíssimos dos presentes se sentaram ou mesmo estenderam no chão, o que não deixou de perturbar o trânsito local...
O piquenique estava previsto para o Parque (de campismo) do Convento, o que não veio a verificar-se, pois, sendo fim-de-semana, o mesmo estava cheíssimo.
Felizmente tínhamos connosco a amiga Olga, que se lembrou de sugerir como alternativa o parque de Sta. Luzia, onde costuma realizar-se a respectiva festa.
Excelente escolha! Mau grado se repetir a dispersão de mesas já verificada em Montejunto, o quadro era muito agradável e esteve-se muito bem, trocando as fartas e saborosas iguarias. De lamentar apenas a perda da navalha de ponta e mola do Fortunato, que nenhuma das aturadas investigações desenvolvidas conseguiu resgatar.
A modorra que se seguiu foi exercida de variadas maneiras - tomar café, passear no parque, passar pelas brasas...
No regresso ao Fundão, a Olga ainda nos levou a dar um pequeno passeio pelo centro - Câmara Municipal, Igreja Matriz, quiosque da cereja, Av. Eugénio de Andrade.
Entre a piscina e os quartos aproveitou-se o tempo até à hora do jantar.
Punha-se o sol, quando o desfile das toilettes entrou no recinto do restaurante “Papo d’Anjo”, de onde a vista vai até Espanha.
Comeu-se, bebeu-se e conviveu-se, até que chegou o mais ansiado momento da noite, ponto culminante de um ano de amizades e folguedos.
Nada como revê-lo em várias peças audiovisuais, que enterneceram e provocaram a hilariedade geral.
Houve discursos, entrega de bastões aos mais valentes, menções especiais e até uma condecoração!
Integrado na vertente solidária dos Caminhadeiros, fez-se o sorteio de um expressivo quadro do caminhadeiro Dores Alves, tendo a caminhadeira Lurdes Clara sido a feliz contemplada. Os fundos conseguidos, reforçados com outra verba constante no fundo de maneio, reverterão para a Liga Portuguesa contra o Cancro.
No fim, cantou-se o Hino dos Caminhadeiros e o grupo, empolgado, recolheu a penates.
Dia 6.7
O dia amanheceu farrusco e quando saímos para o autocarro jä chuviscava.
Acomodar as bagagens exigiu cuidados redobrados, para não molestar as caixas de cerejas que os mais madrugadores já tinham ido comprar.
O período antes do almoço foi animado pelo discurso bem-humorado do Gil.
No fundo, as palavras dele consubstanciaram os nossos sentimentos de bem-estar pelo convívio destes dias, e de agradecimento aos Caminhadeiros-mor, pela excelente organização.
Pelo meio ouviu-se “a frase da viagem”. Dizia o Gil, citando Chico Buarque, “foi bonita a festa, pá”. E acrescentava: “Se também ele fosse dos nossos…”, ao que o Fortunato, saltou, num ápice: “Não tem estudos para isso!!!”
Excelente foi também a sugestão dos caminhadeiros Claras para o nosso almoço. Toda a gente se perguntou como é que, in the middle of nowhere, eles tinham descoberto esta pérola. Não só se comeu magnificamente, como os jardins circundantes proporcionaram óptimos passeios digestivos.
Isto, enquanto alguns se dedicavam à batota, ou, supostamente, ao ilusionismo… (Muita “electricidade nos dedos”…).
O resto foram as despedidas e os desejos mútuos de boas férias, repetidos em cada paragem do autocarro.
Em Setembro há mais.

Saudações Caminhadeiras em passada inovadora,

Maria do Céu Fialho

sábado, 28 de Junho de 2014

* * Convocatória . 2ª Caminhada Extraordinária 2013 / 2014 * * Encerramento de Época no Fundão . Dias 04, 05 e 06 de Julho

Esta convocatória de encerramento de época, formaliza apenas a publicação no blog da 2ª caminhada extraordinária. É do conhecimento do universo caminhadeiro, que as inscrições foram efectuadas por outra via e já se encontram encerradas.

Saudações Caminhadeiras em passada empolgante de final de época,

Fortunato de Sousa