terça-feira, 4 de julho de 2017

* * * * * * * *Encerramento de Época 2016 / 2017* * * * * * * * ____Pedrogão Pequeno . Dias 30 de Junho, 1 e 2 de Julho____




Álbuns de Fotografias
Céu Fialho
Fortunato de Sousa
Ilda Poças
Lucio Libanio (Video)
Luis Martins
Dores Alves
Acilina Couto
Fortunato de Sousa II
Luz Fialho I
Luz Fialho II
Luz Fialho III
C.M.Sertã - Turismo (Video)
Data do Encontro: 30 de Junho, 1 e 2 de Julho
Local: Pedrógão Pequeno
Percurso: 8,500 Kms; 3h00
Caminhantes (45): Acilina Couto; Ana Leão; Angelina Martins; António Palma; António Pires; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Esteves; Céu Fialho; Cristina Archer; Dores Alves; Estela Garcia; Fátima Libânio; Fernando Bernardino; Fortunato Sousa; Francisco Pires; Gilberto Santos; Gonçalo Garcia; Helena Gago; Ilda Poças; João Duarte; Josefa Carrasco; Kinita de Sousa; Lídia Albuquerque; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Gonçalves; Lurdes Clara; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Serôdio; Maria da Luz Fialho; Octávio Firme; Odete Vicente; Pedro Albuquerque; Rogério Matias; Rosa Silva; Socorro Bernardino; Teresa Palma; Teresa Santos; Vítor Gonçalves; Zé Clara.
Não Caminhantes (13): Gil Furtado; Graça Sena; Helena Meleiro; Irene Afonso; Isabel Forte; Juan Ambrósio; Lúcio Libânio; Margarida Graça; Rui Afonso; Rui Graça; Teresa Alves; Tina Rita; Virgílio Vargas.
Organizadores: Fortunato de Sousa, Luís Fernandes e Vítor Gonçalves.

Próxima Caminhada: 13/09/2017 (Organiza: Dores Alves e Pedro Albuquerque)
1º dia, 30.6, sexta-feira
Desta vez, o requinte dos organizadores proporcionou aos passageiros um autocarro com wifi, para delícia dos mais viciados. Assim, ligados ao mundo, partimos para o que havia de ser mais um excelente fim-de-semana caminhadeiro.
Durante a viagem, foi lançado um desafio às Caminhadeiras – foram-lhes distribuídas máscaras, com o pedido de que as pintassem, segundo a imaginação individual de cada uma, até à sessão de encerramento, onde seriam postas a concurso. “Então e como as pintamos, vimos desprevenidas!?” Que pergunta, os Mores pensam em tudo!... Logo ali apareceram várias caixas de lápis de cor, para circular entre as artistas.
A janta foi no já nosso conhecido “Restaurante Marques” em Cabaços, onde o nosso amigo Carlos Penedo se juntou ao grupo que viajou de autocarro desde Lisboa.
Pouco passava das 23h quando chegámos ao “Hotel da Montanha”, onde já nos aguardavam os casais Irene e Rui Afonso e a Angelina e o Luís Martins, companheiros que se tinham deslocado de automóvel. O Gil Furtado chegaria um pouco mais tarde.
Procedeu-se à distribuição dos quartos e a trupe sossegou.
2º dia, 1.7, sábado
Era o dia da nossa caminhada. Reunidos em frente do hotel, procedeu-se à foto da praxe e arrancámos.
Foram 8,5 km, quase sempre com o Zêzere à vista, lá em baixo. A temperatura estava óptima e, por isso, a única subida malvada que se apresentou, deixou o pessoal sem fôlego, mas não deitou ninguém abaixo.
No final, em Pedrógão Pequeno, o autocarro trouxe os participantes que não caminharam e recolheu-nos, para nos transportar até ao restaurante “Lago Verde”, onde decorreu o almoço.
Grande êxito teve a Caminhadeira Graça Sena, quando, acompanhada da amiga Isabel Forte, irrompeu de surpresa pela sala de jantar, de braços no ar e a cantar o hino dos Caminhadeiros. Nesta altura especial, todos os presentes lhe quiseram manifestar o seu carinho com um aplauso bastante forte.
Após o almoço, regresso ao hotel, onde o resto da tarde foi passado, por cada um dos circunstantes, segundo as respectivas preferências.
Pelas 19h, iniciou-se a sessão de encerramento. Na falta da Sala Rosmaninho, que nos acolheu no ano passado e que este ano se encontrava ocupada por um casamento, concentrá-mo-nos na Sala Sobreiro, mais pequena, mas igualmente acolhedora.
Foram recolhidas as máscaras pintadas pelas Caminhadeiras, que, posteriormente, haveriam de ser avaliadas por um bem selecionado e competente júri.
Tomou a palavra o Caminhadeiro-Mor Fortunato de Sousa, que fez o balanço da temporada que agora termina. Para além de dados sobre as caminhadas propriamente ditas, referiu também a actividade dos “Caminhadeiros Solidários”, evidenciando, nomeadamente, a honrosa actividade dos participantes, assim como a oferta do casal Zé e Lurdes Clara, que contribuiu para o grosso da receita deste fundo de maneio.
Transmitiu ainda as mensagens de numerosos Caminhadeiros ausentes, e leu um postal que a nossa amiga Caminhadeira Cidália Marta entregou para ser lido a todos os participantes. De seguida, a Odete Vicente leu um poema muito bonito sobre a amizade, também a pedido da Cidália.
Foi referido ainda, que os 3 Caminhadeiros Mores estão prestes a alcançar a bonita soma de 2.000 kms, o que lhes dá direito a receber na próxima época o prestigiado Bastão de Ouro.
Passou-se então à distribuição dos troféus da temporada.
Foram entregues os bastões e respectivos diplomas aos Caminhadeiros presentes que já completaram 250 kms - Acilina Couto e Lídia Albuquerque. Os outros 6 Caminhadeiros com direito ao Bastão de Bronze e que não marcaram presença, irão recebê-los  no início da próxima época. O Bastão de Prata e respectivo Diploma foi entregue aos Camimnhadeiros que já cumpriram 750 kms – Pedro Albuquerque, Quinita Sousa e Lurdes Clara.
Os Caminhadeiros que já atingiram os 1000 km (escalão que não dá lugar à entrega de bastão) – António Pires, Fernando Bernardino, Carmen Firme, João Duarte, Octávio Firme, Teresa Palma, Angelina Martins e Lina Fernandes, receberam um troféu em acrílico para perpetuar esta importante meta atingida. O Caminhadeiro João Figueiredo que não esteve presente receberá o troféu também no início da próxima época.
Seguiu-se a entrega de alguns troféus de mérito aos seguintes Caminhadeiros: Troféu “Caminhadeiros Solidário” ao Casal Lurdes e Zé Clara pelo seu contributo para esta nobre actividade; Troféu “Caminhadeiro Contestatário” ao Caminhadeiro Manuel Reis pela sua constante atitude em contestar todas as decisões. Como prova da veracidade dos factos, retorquiu o laureado que o troféu estava muito mal atribuído e que de modo algum era merecedor dele.
O Caminhadeiro Luís Martins expôs então uma sua iniciativa em prol do fundo solidário: na sala encontrava-se exposta uma selecção de fotografias suas, tiradas ao longo dos anos durante as caminhadas do grupo, e que tinha mandado imprimir em qualidade. Pedia aos companheiros que estivessem interessados em cópias, que lho fizessem saber, revertendo o dinheiro obtido na sua venda para aquele fim.
Foi a altura de ser apresentado mais um inspirado trabalho audiovisual, feito sobre fotos das caminhadas desta temporada, da autoria da tripla Fátima Libânio, Lúcio Libânio, Rogério Matias. A peça arrancou intermináveis gargalhadas ao auditório.
Interveio depois o Caminhadeiro António Palma, que falou sobre as suas criações para esta época e ofereceu aos Caminhadeiros-Mores canecas em que se encontrava estampada uma delas.
A sessão caminhava para o fim, quando foi entregue na sala uma encomenda-surpresa para os Caminhadeiros-Mores. “Donde vem, donde não vem?”. Mistério... Aberto o embrulho, apresentaram-se três caixas. Mais um pouco de suspense e, de dentro das mesmas, saíram três chapéus tipo panamá, que assentaram que nem uma luva aos três protagonistas. “Quem foi, quem não foi?” Mistério…
O Caminhadeiro-Mor Vítor Gonçalves encerrou a sessão, reportando que os Caminhadeiros-Mores têm reflectido no futuro do grupo, no qual, segundo eles, deverá passar a figurar mais vezes o modelo da caminhada em que se vai de véspera e para mais longe. Não só porque os membros do grupo vão ficando mais velhos, como também porque se torna cada dia mais difícil organizar programas originais perto de Lisboa. Instou, mais uma vez, a que todos se empenhassem na organização de caminhadas.
De seguida, por ordem decrescente de quilómetros andados, foram chamados individualmente todos os Caminhadeiros com pelo menos 100 km e três caminhadas efectuadas nesta temporada, a quem foi entregue um polo azul com o logo dos Caminhadeiros. A todos os presentes foi entregue um gorro ou boné, ambos também com o logo tipo do grupo.
A fome apertava, pelo que a passagem à sala de jantar rapidamente se fez.
Durante a refeição, os “criminosos” foram desmascarados  – os chapéus tinham sido comprados pelo casal caminhadeiro Tina Rita / Carlos Evangelista, inspirados numa recente visita ao Museu da Chapelaria, em S. João da Madeira. O Carlos, generosamente, tomou a palavra para dizer que não, não se tratava de uma prenda deles os dois, mas sim de todos os Caminhadeiros, pois os destinatários bem mereciam.
Foram depois revelados os resultados do concurso de máscaras, tendo desfilado as autoras das que ficaram nos dez primeiros lugares. O júri, constituído pelos caminhadeiros António Palma, Chico Pires  e Rogério Matias, fez questão de tornar pública a origem da classificação. E assim, através do seu porta-voz, Chico Pires, acolitado em tradução simultânea pelos Caminhadeiros-Mores, Fortunato Sousa e Vítor Gonçalves, se ficou a saber que o critério principal tinha sido o de um do-li-tá, cara de amendoá.
Entretanto, as Caminhadeiras-Mores tinham já circulado junto das várias mesas, vendendo rifas respeitantes ao sorteio de uma manta, oferecida pelo casal Clara. Realizado o mesmo, a sorte calhou à Caminhadeira Teresa Santos.
No conjunto das várias iniciativas – sorteio da manta e fotos do Luís Martins – foi apurado um total de 405 euros, acrescidos ao fundo solidário.
Encerrou-se a jornada cantando o “Hino dos Caminhadeiros” a plenos pulmões.
 3º dia, 2.7, domingo
Dia de preguiça. Como a partida era só às onze, houve tempo para a piscina e para umas passeatas nos arredores do hotel. 
Arrumado o puzzle das bagagens, arrancou a comitiva para a Sertã, onde nos esperava a guia Dora Vitória. Munida dum megafone oferecido pelos Caminhadeiros, fez-nos primeiro uma introdução à história e tradições sertaginenses (gastronómicas e outras), no espaço do Lagar de Varas.
A visita guiada propriamente dita centrou-se no espaço à beira-rio (aliás, ribeira!) e, posteriormente, na zona histórica (castelo e pelourinho). Pelo meio, muitas histórias, algumas de ovos estrelados, protagonizadas por Celinda, a heroína local. 
O último espaço de convívio gastronómico foi o restaurante “Ponte Velha”, no centro da vila. Magnífico restaurante, ou não tivesse sido escolhido pelo casal Clara. Mataram-se as últimas saudades, falou-se das férias de verão, dos projectos futuros. E ainda deu para os mais interessados em futebol sofrerem com o prolongamento do jogo entre Portugal e o México. Sem esquecer que a refeição foi abrilhantada pela Mariana e o Francisco, netos do casal Céu Esteves / Manuel Pedro. 
Feitas as despedidas aos companheiros que regressavam por meios próprios, iniciámos a viagem de regresso.
Na sexta-feira não tínhamos tido oportunidade, porque chegamos já de noite. Mas desta vez fomos constatando desconsoladamente, de um lado e doutro da estrada, os terríveis efeitos dos recentes incêndios. 
 Aos poucos, a modorra foi-se instalando (lá estivera o nosso senador-sonhador, para a espantar, com a sua verve!...). As provas documentais certamente terão lugar nos “apanhados” do encerramento de 2018! 
Contudo, a viagem foi tudo menos monótona, pois a distinta e inspirada cantora Luísa Gonçalves tomou o assunto (aliás, o microfone!) em mãos e fez desfilar infinitas versões da balada “Amar a dois”.
Foi tal o entusiasmo, que, quando se deu por isso, a área de serviço de Santarém – suposto apeadeiro dos Libânios - já tinha ficado para trás. Mas isto é uma grande organização e logo ali se arranjou uma solução. 
As restantes separações foram feitas com muitos beijos, abraços e votos de boas férias.
Saudações Caminhadeiras, em passada veraneante,

Maria do Céu Fialho / Fortunato de Sousa

sexta-feira, 23 de junho de 2017

* * *Convocatória . Encerramento de Época 2016 / 2017* * * ____Pedrogão Pequeno . Dias 30 de Junho, 1 e 2 de Julho___

Esta convocatória tem  como finalidade apenas, formalizar a sua publicação no "blog".
As inscrições foram efectuadas através de outra via de comunicação, encontrando-se as mesmas já encerradas.
Saudações Caminhadeiras em passada curta,

Fortunato de Sousa

domingo, 18 de junho de 2017

* * * * * * * *19ª Caminhada da Época 2016 / 2017* * * * * * * ______Praia Fluvial do Alviela . Dia 14 de Junho______




Álbuns de Fotografias
Fortunato de Sousa
Acilina Couto
Luz Fialho
Data do Encontro: 14/06/2017
Local: Praia Fluvial do Alviela – Louriceira – Alcanena
Percurso: 11,000 Kms ; 03,00 horas
Caminhantes: (23) Acilina; Ana Cristina Umbelino; Céu Fialho; Cidália Marta; Clara Maia; Cristina Archer; Estela Garcia; Fátima Libânio; Fortunato de Sousa; Gilberto Santos; João Figueiredo; Juan Ambrósio; Júlia Costa; Lúcio Libânio; Lurdes Clara; Luz Fialho; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Margarida Lopes; Maria do Céu; Teresa Palma; Vitor Gonçalves; Zé Clara.
Não Caminharam: (4) Gil Furtado; João Duarte; Kinita de Sousa; Manuel Flôxo.
Organizador: Fátima Libânio / Lúcio Libânio
Almoço: Modelo Picnic no Parque de Merendas da Praia Fluvial
Próxima Caminhada: 30 de Junho e 01 02 de Julho
Organizam: Fortunato de Sousa, Luís Fernandes e Vítor Gonçalves
Reportagem:
Seguindo a tradição dos últimos anos, realizou-se a penúltima caminhada da época com um modelo diferente dos eventos convencionais. Assim, o casal organizador, Fátima e Lúcio Libânio, levaram-nos até à nascente do rio Alviela, local este também conhecido por Olhos de Água.
O nosso grupo já aqui tinha realizado uma caminhada em Outubro de 2014, nessa altura com um número de participantes mais elevado do que na passada Quarta-Feira. Os dois feriados a meio da semana, desviaram muitos Caminhadeiros da 19ª aventura caminhadeira da época. Há muito tempo que não tinhamos um número tão reduzido de participantes.
Mesmo assim ainda conseguimos juntar 14 Caminhadeiras e 9 Caminhadeiros, mais 4 presenças que não caminharam, mas participaram e de que maneira em todo o restante programa do dia. Poucos mas bons, como eu ouvi alguém dizer.
O percurso foi encarado de modo diferente pelos participantes na caminhada. Enquanto uns diziam que o calor e a subida inicial era um tanto ou quanto desmotivador, outros encaravam estas aparentes dificuldades como motivo aliciante. E foi assim que 3 horas depois do início da caminhada, chegámos ao ponto de partida com mais 11 kms percorridos.
Os participantes no evento que não caminharam, tiveram a gentileza de preparar o cenário onde o pic-nic teve lugar. Mesas compridas e bancos corridos, mais o grelhador onde o Chefe Manuel Flôxo comandava sábia e ordeiramente as actividades no “grill”.
Toalhas coloridas, cestos de merenda de vários formatos e as imprescindíveis geleiras davam um ar diferente do habitual nesta fase do programa do dia pós caminhada.
Saladas de vários tipos, pratos frios e quentes, queijos, muita fruta, castanhas assadas , chouriço assado, febras na brasa, etc. etc., foram sendo degustados calmamente durante a tarde.
Como desta vez não havia a parte cultural nos moldes convencionais, lá tiveram que avançar os animadores e animadoras de serviço habituais, com cantigas e danças deveras peculiares.
Uns mais cedo outros mais tarde, fomos abandonando o bonito parque de merendas do rio Alviela, já a pensar que a próxima aventura será a tal de final de época lá para os lados de Pedrogão Pequeno e da Sertã.
Agora, deixem-me terminar a reportagem deste evento, com uma frase do grande Chico Buarque, que assenta aqui que nem uma luva: “Foi bonita a festa pá”.
Saudações Caminhadeiras em passada retardada,

Fortunato de Sousa

quarta-feira, 7 de junho de 2017

* * *Convocatória . 19ª Caminhada da Época 2016/2017* * _______Praia Fluvial do Alviela . Dia 14 de Junho________

Convoqueira
Estão todos os Caminhadeiros convidados a pique-nicar na Praia Fluvial do Alviela, para o que necessitam:
Saber como chegar: Coordenadas GPS 39º 26' 38.2 N 8º 42' 38.7"
Preparar o piquenique, ou, na véspera ou, no próprio dia e depois:
1 - Chegar lá aí pelas 9 e pouco.
2 - Iniciar a caminhada, se quiserem, aí pelas 9 e mais um pouco
3 - Estar de volta da caminhada aí por volta das 12,30, um pouco mais ou menos
4 - Sentarem-se a ingerir as vitualhas
5 - Assistirem às chapinhadelas do  V. G. e C. P, pelo menos.
De notar que a caminhada, que terá 11 km, a fazer por estradas de terra batida e algum alcatrão, tem bastantes zonas sem sombra.
Não tem dificuldade técnica, apesar dos 2,1 km iniciais de subida moderada, e identicamente do km 2,8 ao 3,8.
As mesas no local estão muito separadas umas das outras, mas podem juntar-se se for caso disso.
Há um restaurante na zona mas está fechado à hora que chegaremos.
Of course, quem quiser ficar na praia, sem fazer caminhada, está à vontade para isso. Tem é que avisar no blogue, faxavor.
Inscrições até dia 12 às 24h

Grande abraço

* * * *Caminhadeiros Solidários - Época 2016 / 2017* * * *


A iniciativa "Caminhadeiro Solidário" teve neste ano de 2017 três manifestações distintas:
·         Casa do Gaiato de São Julião do Tojal
Donativo de 120 Euros, sob a forma de bens de consumo.
·          Casa da Luz, em Carnide (Fundação António Silva Leal) - dias 10 e 11/05/2017
Reparações e alterações na instalação elétrica; fornecimento e instalação de um candeeiro; limpeza, reparação, e pintura de várias divisões:  Copa, Corredor, Sala de Estar e quatro quartos.
·         Associação Renovar a Mouraria (ARM) - dias 18, 19 e 22/05/2017
Intervenção na casa do senhor Miguel, doente e fisicamente diminuído , habitante da Mouraria, referenciado pela ARM.
 Reparação de paredes com gesso cartonado, colocação de forro em pinho, correções na instalação elétrica, fornecimento e montagem de  três candeeiros, limpeza, preparação  e pintura de paredes, tetos e portas.

 Este ano, participaram diretamente nos trabalhos os seguintes Caminhadeiros:  António Carvalho, Carlos Evangelista, Cidália Marta, Gilberto Santos, Dores Alves, Fortunato Sousa, Manuel Garcia, Manuel Pedro, Manuel  Reis, Maria do Céu Esteves, Maria da Luz Fialho, Maria do Céu Fialho, Odete Vicente e Vítor Gonçalves. Catorze, ao todo, mas muitos mais teriam sido se a iniciativa tivesse sido anunciada com a devida antecedência e se os locais intervencionados tivessem espaço para acomodar mais pessoas. Paciência, para o ano que vem há mais.
Quanto a fundos, gastámos 476,61 Euros, dos quais 120 em compras para a Casa do Gaiato e o resto - é só fazer a conta - em materiais. Uma insignificância, se comparado com o valor das mais de 190 horas de trabalho realizado.
Por fim, foi um belo convívio  (no trabalho e à mesa), sentirmos bem e ainda por cima recebemos, das pessoas que servimos, o reconhecimento pelo nosso trabalho. (E nem era preciso.)
Uma palavra de apreço para com o António Carvalho, o Caminhadeiro que não caminha, que de novo esteve connosco, com a mesmo espírito generoso de sempre.
Saudações Caminhadeiras em passada solidária,

Manuel Pedro

domingo, 4 de junho de 2017

* * * * * * * * *18ª Caminhada da Época 2016 / 2017* * * * * * * ______"De Valada à Palhota pela Lezíria e o Dique"______ ________Valada do Ribatejo . Dia 31 de Maio________



Álbuns de Fotografias
Dores Alves
Luz Fialho
Luis Martins
Data do Encontro: 31 de Maio
Local: Valada do Ribatejo
Percurso: “De Volta à Palhota pela Lezíria e Dique” - 11 Kms – 03:00 horas
Caminhantes: (40) Acilina; Amilcar Queiróz; Ana Cristina Umbelino; Ana Leão; Angelina Martins; António Palma; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Cidália Marta; Clara Maia; Dores Alves; Estela Garcia; Fátima Libânio; Fortunato Sousa; Gilberto Santos; Graça Raposo; João Duarte; Kinita de Sousa; Lina Fernandes; Lúcio Libânio; Luís Fernandes; Luís Martins; Lurdes Clara; Manuel Barbosa; Manuel Flôxo; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Lopes; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Maria da Luz Fialho; Octávio Firme; Odete Vicente; Rogério Matias; Teresa Palma; Vítor Gonçalves; Zé Clara;
Só ao Almoço: (3) Fernando Couto; Gil Furtado; Virgílio Vargas
Organizadores: Carmen Firme / Octávio Firme
Almoço: Restaurante “Quinta do Saraiva”
Próxima Caminhada: 14/06/2017 (Organiza: Fátima Libânio e Lúcio Libânio)
Reportagem:
Voltamos de novo ao Ribatejo para cumprir a 18ª caminhada da época.
Os nossos amigos e experientes Caminhadeiros Carmen e Octávio Firme, empenharam-se como é seu hábito na organização do evento. Começando logo pelo nome atribuído ao percurso: “Palhota, Lezíria, Dique”, uma nomenclatura que caracteriza bem a paisagem ribatejana.
A concentração teve lugar no parque de estacionamento da zona ribeirinha de Valada, local muito bonito, bem arborizado e  com o Tejo e as suas águas claras e calmas a receber os participantes em dia de Sol meio encoberto. Um bar em frente ao Dique possibilitou que o café da manhã fosse ali mesmo tomado, acompanhado de bolinhos muito atraentes para os que não poderam resistir à tentação.
Dos inscritos na convocatória, por razões diversas, mas atempadamente justificadas faltaram a Graça Sena, a Ilda Poças e o Miguel Cardoso. Não inscrito, mas a marcar presença à última hora, compareceu o nosso amigo Amilcar Queiróz, após ausência prolongada por razões de saúde, mas agora já quase totalmente restabelecido.
Seguiu-se a fotografia de grupo e ala que se faz tarde a caminhar que já são horas.
O percurso no meio da lezíria, todo ele plano, teve o agrado de todos os participantes. Além dos cavalos que abundam nas variadas quintas por onde íamos passando, tivemos ainda oportunidade de ver como se planta e trata o tomate em versão quase totalmente mecanizada.
Terminado o percurso no mesmo ponto onde havia começado, seguiu-se o espectáculo habitual, ou seja, a mudança de vestuário à volta e no inteior dos carros.
Depois, em cortejo de viaturas desta vez muito disciplinado, seguimos para o restaurante “Quinta do Saraiva”, onde já nos esperavam os três participantes não caminhantes.
E se os nossos amigos Carmen e Octávio Firme já nos tinham presenteado com um percurso muito agradável, que dizer do repasto que se seguiu. Desde a variedade e qualidade da confecção das iguarias, passando pelo tradicional vinho “Plexus” (que o Octávio em boa hora insiste em incluir nas ementas dos almoços por ele organizados) até à sobremesa, tudo do bom e do melhor.
Como desta vez a componente cultural estava destinada à capacidade criativa de cada participante, houve de tudo. Tertúlias interessantes, música variada com o cante alentejano sempre em evidência e a prometida visita à casa das peles para incentivar o consumo e a economia regional.
Terminamos com o tradicional chá de final de dia, também servido no mesmo local do almoço e como sempre em ambiente alegre e divertido.
Ainda com o Sol no horizonte, foram feitas as despedidas já com as ideias formatadas para a próxima aventura, desta vez com honras de “pic nic”, e com a garantia e marca de qualidade asseguradas pelos prestigiados Caminhadeiros Fátima e Lúcio Libânio.
Em nome dos organizadores, um agradecimento “firme” ao Presidente da Junta de Freguesia de Valada do Ribatejo, senhor Manuel Fabiano e à funcionária da mesma Junta de Freguesia, D. Ana Paula.
Pela minha parte e certamente em nome de todos os participantes, um saleroso e firme abraço à Carmen e ao Octávio, pelo excelente dia que nos proporcionaram em terras ribatejanas.
Saudações Caminhadeiras em passada agradecida,

Fortunato de Sousa

quarta-feira, 24 de maio de 2017

* * *Convocatória . 18ª Caminhada da Época 2016 / 2017* * * _____"De Valada à Palhota pela Lezíria e o Dique"______ ________ Valada do Ribatejo . Dia 31 de Maio _________


Convocam-se os Caminhadeiros para a 18ª caminhada da época 2016/17, que terá lugar inteiramente na freguesia de Valada do Ribatejo. O percurso é de dificuldade baixa, sempre plano, havendo, no entanto, alguns cuidados a tomar no que diz respeito à hidratação e protecção solar, dado que uma grande parte do mesmo é feito sem o abrigo de quaisquer árvores. O uso de bastão fica ao critério de cada um.
Extensão do percurso: 9Km
Programa:
09.00H – Concentração no parque de estacionamento da zona ribeirinha de Valada (junto à praia fluvial  onde se efectuará a fotografia de grupo).
Coordenadas GPS: 39º 04' 56.9" N  8º 45' 28.4" W
09.25H – Início da caminhada
13.00H – Almoço no restaurante 'Quinta do Saraiva'. (distância do ponto de concentração ao restaurante: aproximadamente 11 quilómetros).
Coordenadas GPS: 39º 08' 24.8" N   8º 48' 08.2" W
15.00H – Contrariamente ao usual este período não é destinado a qualquer visita cultural.Como já estamos quase no fim da época, vamos usá-lo para conviver e para isso teremos à disposição o jardim da Quinta. Quem estiver interessado pode visitar a loja da Casa das Peles. É só atravessar a estrada…..
17.00H – Chá de encerramento de mais uma jornada caminhadeira.
Como habitual, agradeço que façam as vossas indicações de presença até às  00.00H de
segunda-feira, 29/5.
Desejamos a todos que puderem comparecer uma boa caminhada.

Carmen e Octávio              

domingo, 21 de maio de 2017

* * * * * * * * *17ª Caminhada da Época 2016 / 2017* * * * * * * * _______ Percurso - Olhar Sobre a Ribeira de Seda ________ * * * * * * * *Seda - Alter do Chão . Dia 17 de Maio* * * * * * * * *




Local: Seda, concelho de Alter do Chão
Percurso: 9 kms em 2 horas
Organizador: Miguel Cardoso
Caminhantes: (33) Acilina Couto; Ana Umbelino; Angelina Martins; António Clemente; António Dores Alves; Carlos Penedo; Carmen Firme; Cidália Marta; Estela Garcia; Fátima Libânio; Fortunato de Sousa; Gilberto Santos; Graça Sena; Kinita de Sousa; Lina Fernandes; Lúcio Libânio; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Luísa Gonçalves; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Lopes; Maria da Luz Fialho; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Octávio Firme; Odete Vicente; Rogério Matias; Rui Parada; Vítor Gonçalves e o organizador.
Não caminhantes: Belmira Coelho; Fernando Couto e casal convidado (Amália Baptista +    António Baptista).
Almoço: Restaurante “Hotel Restaurante Convento D’Alter”-Alter do Chão
Evento Cultural: Visita à Coudelaria de Alter do Chão
Chá de final de dia: Na Coudelaria de Alter do Chão e a cargo do “Hotel Restaurante Convento D’Alter”
Próxima caminhada: 31/05/2017 (Cármen Firme e Octávio Firme)
Reportagem:
Desta vez em terras Alentejanas e na freguesia de Seda, concelho de Alter do Chão, realizámos mais uma jornada caminhadeira.
A concentração teve lugar no largo em frente à Igreja Paroquial de Seda, local a partir do qual, pudemos desde logo, observar  vastas extensões de olival e vinha.
O percurso realizou-se nas margens da Ribeira de Seda, entre a povoação de Seda  e a Ponte Romana de “Vila Formosa”.
Dos vários pontos de interesse observados, destacamos a ponte Romana de “Vila Formosa”, classificada como monumento nacional desde 1910, construída nos finais do 1º século e que integrava a importante estrada romana que ligava Olísipo (Lisboa) a Emérida (Mérida).
Após uma pequena paragem na referida ponte para reagrupamento, para a foto de grupo e recuperação de energias, regressamos ao local de partida, cumprindo assim a 1ª parte da nossa jornada.
Salientar, o inestimável apoio que nos foi dado pelo Sr. Rui Parada (Director do Hotel Restaurante Convento D’Alter), novel caminhadeiro, que nos brindou com a sua presença durante a caminhada, distribuindo água a todos os presentes e que no final da mesma, nos brindou também a todos com um verde gelado de Amarante.
Seguiu-se o almoço no Hotel acima referido com os pratos tradicionais da região.
Como reconhecimento pelo bom acolhimento e esmerado serviço no Hotel Restaurante Convento D’Alter, foi oferecida na pessoa do seu Director, ao Sr. Rui Parada, pelo grupo “Os Caminhadeiros”, uma placa comemorativa do evento.
A parte cultural constou como previsto, de uma visita à Coudelaria Nacional de Alter do Chão, a qual foi fundada em 1748 pelo rei D. João V.
Através da guia Sra. D. Maria José, embora de um modo muito sintético, pudemos observar as várias fases da reprodução, criação e valorização do cavalo lusitano Alter Real.
Foi de facto um dos pontos altos da jornada, como ficou demonstrado pelo elevado interesse por parte dos presentes, nomeadamente no que respeita ao processo de obtenção do sémen a partir de reprodutores seleccionados de grande pureza de raça.
Cumpriu-se a última etapa da nossa jornada, com o habitual chá de final de dia na Coudelaria de Alter do Chão, onde nos foi servido pelo Sr. António Velez, produtor local (Fronteira), chá das mais variadas qualidades, bem como de tisanas e onde os presentes puderam adquirir produtos da “FRAGRÂNCIAS BIO”.
Agradeço encarecidamente a todos os participantes nesta jornada caminhadeira, e em especial ao Caminhadeiro-mor Fortunato de Sousa, pela preciosa ajuda dada no planeamento da mesma.
Certamente que todas as magníficas imagens obtidas pelos nossos repórteres fotográficos, completarão a minha resumida reportagem.

Estava previsto o nosso amigo e companheiro Caminhadeiro Virgílio Vargas participar no evento em questão. Por razões de saúde isso não foi possível. Desejos de uma célere recuperação.

Agradecimentos:
- Hotel Restaurante Convento D’Alter na pessoa do seu Director Sr. Rui Parada pelo esmerado serviço (Almoço+Chá), e não só.
- Coudelaria de Alter do Chão nas pessoas da Sra. D. Inês Correia e da guia Sra. D. Maria José.
- Ao casal (Amália Baptista+António Baptista), amigo do organizador, pela sua participação na jornada.
Saudações Caminhadeiras,

Miguel Cardoso

* Escrito de acordo com a antiga ortografia.

terça-feira, 9 de maio de 2017

* * *Convocatória . 17 Caminhada da Época 2016 / 2017* * * _______ Percurso - Olhar Sobre a Ribeira de Seda ________ * * * * * * * *Seda - Alter do Chão . Dia 17 de Maio* * * * * * * * *


Convocam-se os Caminhadeiros para mais uma caminhada, desta vez a 17ª da época 2016/2017.
O percurso de aproximadamente 9 kms, terá um índice de dificuldade médio baixo e desenvolver-se-á na margem esquerda da ribeira de Seda e também em terras vinhateiras e de olival alentejanas a norte da freguesia de Seda, a qual dista aproximadamente 10 Km da vila de Alter do Chão.
Sendo a 1ª parte do percurso percorrido em estrada camarária, embora com trânsito reduzido, aconselhamos o uso de colete reflector.
Também aconselhamos a utilização de bastão.
Programa:
09:15 horas - Concentração no largo da Igreja Paroquial de Seda
(39º 11' 26,97" N); (7º 47' 20,29" W)
09:30 horas – Início da caminhada
13:00 horas - Almoço no restaurante "Hotel Restaurante Convento D’Alter”
(39º 11' 49,68" N); (7º 39' 29,99" W)
15:00 horas - Visita à Coudelaria de Alter do Chão
17:00 horas - Chá de final de dia na Coudelaria de Alter do Chão



Como Chegar:
Quem for pela A1
              Deixar a A1 no nó do Carregado (saída 4 p/ a A10-direcção Benavente/Algarve);
              deixar a A10 (saída p/ a A13 na direcção da A2/A6/A12/Algarve);
              deixar a A13 (saída 3 na direcção da N10/N119/Coruche/V. Franca);
              virar à direita na direcção de Coruche/Sto. Estêvão (N119) e seguir até ao Couço;
              no Couço seguir na direcção de Montargil, passar por Ponte de Sor, Vale de Açor e finalmente Seda
Quem for pela A6
              Deixar a A6 na 2ª saída em Montemor-o-Novo (saída 4 p/ a N4 na direcção de Montemor/Arraiolos);
              de seguida virar à esquerda na direcção da N4-sentido Estremoz/Arraiolos;
              próximo de Arraiolos, mas antes, seguir na direcção de Pavia;
              em Pavia seguir na direcção de Aviz;
              após Aviz e a barragem do Maranhão virar à direita e seguir na direcção de Benavila/Seda.
Os interessados em participar no evento, devem inscrever-se até ao final de Domingo dia 14 de Maio.
Para todos aqueles que pretendam deslocar-se para Alter do Chão na véspera do dia da jornada, poderão se assim o desejar, ficar alojados no Hotel Restaurante Convento D’Alter.
Para o efeito agradecemos que nos seja dada essa informação, aquando da respectiva inscrição.
Saudações Caminhadeiras, a Galope, a caminho mais uma vez, de terras do Norte Alentejano.
Boa viagem

Miguel Cardoso

sábado, 6 de maio de 2017

* * * * * * * 16ª Caminhada da Época 2016 / 2017 * * * * * * * * De Regresso às Origens . Aldeia Grande-Maxial . Dia 03 de Maio




Álbuns de Fotografias
Local: Aldeia Grande - Maxial
Percurso: 10 Kms – 03:00 horas
Caminhantes: (41) Acilina; Ana Cristina Umbelino; Ana Leão; Angelina Martins; António Clemente; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Cidália Marta; Clara Maia; Dores Alves; Estela Garcia; Fortunato Sousa; Gilberto Santos; Graça Sena; Irene Afonso; João Duarte; João Figueiredo; Josefa Carrasco; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Manuel Barbosa; Manuel Flôxo; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Lopes; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Maria da Luz Fialho; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Odete Vicente; Rogério Matias; Rosa Silva; Rui Afonso; Teresa Palma; Vítor Gonçalves;
Caminhadeiro Convidado: Fernando Damil
Só ao Almoço: (1) Gil Furtado
Organizadores: Cidália Marta / Rogério Matias
Almoço: Restaurante da Quinta do Gradil
Próxima Caminhada: 17/05/2017 (Organiza: Miguel Cardoso)
Reportagem:
Foi com grande alegria que recebemos os nossos amigos Caminhadeiros na nossa Aldeia.
Caminhámos com o nosso contemporâneo Fernando Damil, homem com larga experiência nestas actividades, que para além de nos transmitir informação detalhada dos vários pontos de interesse cultural dos lugares por onde iamos passando, também nos guiou pelos caminhos e campos onde a ruralidade ainda se mantém quase em pleno.
Mostrámos os lugares e as casas onde eu e o Rogério nascemos e crescemos. Foi agradável recordar a nossa infância.
Depois seguimos de carro até à Quinta do Gradil, local onde o Marquês de Pombal habitualmente passava as suas férias.
O almoço servido em mesa comprida sob um toldo branco no páteo exterior da Quinta, deu-nos a possibilidade de desfrutar de uma visão panorâmica da nossa conhecida Serra de Montejunto.
A meio do repasto, li um poema intitulado - "Raízes" (*) - que retrata o meu percurso de vida e o sentimento vivido através dela até aos dias de hoje.
Seguimos para a visita guiada à adega e, como é habitual, terminámos com o nosso tradicional chá de final de dia.
Um agradecimento a todos os Caminhadeiros presentes e em particular aos meus conterrâneos Rogério Matias e Fernando Damil, que tanto se empenharam e contribuiram para o sucesso deste evento.
Saudações Caminhadeiras,
Cidália Marta

(*) RAÍZES

Voltar às raízes
É voltar à terra onde nascemos
É voltar à terra onde crescemos
Ao lugar onde fomos tão felizes

As minhas raízes estão aqui
Onde os meus pais me geraram
Onde os meus amigos comigo brincaram
Em tudo o que vivi e não perdi

Com estas raízes construí a minha imagem
Com as raízes da família fui alimentada
Subindo todos os degraus desta escada
Da vida que me fez "Mulher Coragem"

Raízes dos sentimentos e emoções
Das dúvidas e das certezas
Raízes das alegrias e tristezas
Das grandes amizades e paixões

E a raiz de todas a maior
A que está sempre presente
Aquela que o coração sente
Que é a raiz do amor

Mas agora, meus amigos, companheiros
Há uma nova raiz na minha vida
Que alimento e jamais será esquecida
A raiz desta árvore: Os Caminhadeiros!!!!!