quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Carlos Sales - A Última Caminhada - 23 de Outubro de 2012


Carlos Sales – A Última Caminhada


Disse ontem adeus à vida o nosso amigo Caminhadeiro Carlos Sales. Aquilo a que se convencionou chamar de doença prolongada foi, no seu caso, muito curta, pois  bastaram apenas 3 meses desde que lhe foi diagnosticada a malvada doença no passado dia 20 de Julho.
Antes, o comentário nº 10 da mensagem ‘Coisas de Caminhadeiro 2’, o último por ele publicado no dia 25 de Agosto, foi como que uma valente bastonada que nos deixou a todos sem palavras. Toda a solidariedade expressa pelos muitos amigos nos comentários que se lhe seguiram, as muitas conversas com ele através do telefone, as visitas ao hospital nos últimos dias e o avanço da ciência médica não foram suficientes para evitar este doloroso desfecho final.
Ainda éramos poucos Caminhadeiros, quando o Carlos Sales se juntou a nós na 3ª caminhada da época 2009 / 2010, realizada pelo Manuel Reis no Parque das Nações. Depois, a partir daí, tal como ele disse no derradeiro comentário a 25 de Agosto, nunca mais faltou a uma caminhada até ao final da época 2011 / 2012.
Era um Caminhadeiro de corpo inteiro em toda a sua abrangência, e um homem de uma enorme riqueza humana. Vamos sentir muito a falta das tertúlias em que a sua presença e as suas opiniões marcavam a diferença. Com pouco tempo ainda no grupo, e fruto dos seus privilegiados conhecimentos,  conseguiu uma visita cultural de última hora à Academia do seu Sporting, em Alcochete. Lembro-me da caminhada no ‘Valle del Jerte’, em que no 1º dia prolongámos a tertúlia pela noite dentro e ouvimos com toda a atenção as mais mirabolantes histórias de arbitragem (a sua grande paixão) por ele vividas ou presenciadas. As conversas entre ele e o Bernardino, o João Duarte, o Vitor Gonçalves e muitos outros sobre este tema eram impagáveis. Na caminhada que organizou 'Pelo Arnal da Apostiça, andou sempre muito preocupado pela chuvada que caíu e onde perdeu a máquina fotográfica com centenas de fotos no cartão de memória. Depois, no Fundão, na caminhada das cerejas também por ele e pela Bina organizada, de folhas de papel e lápis na mão, sempre preocupado  com as refeições e toda a logística inerente à organização do evento. Nos últimos tempos, os filhos tinham-lhe oferecido um cavaquinho, e andava entusismadíssimo, em fase de aprendisagem, mas com um progresso fora do comum segundo o António Henriques. A viagem de regresso a Lisboa após a caminhada no Fundão foi disso prova. Brincalhão, de passada lenta,  e a Bina sempre ao seu lado, são registos e imagens que ficarão para sempre na nossa memória.
Enfim, muito mais haveria para dizer, principalmente nesta altura, mas como muito bem dizem a Margarida, o Carlos Penedo e todos nós, o Carlos Sales, infelizmente, não vai responder às convocatórias, mas estará sempre a caminhar connosco enquanto o grupo dos Caminhadeiros existir.
Para a Bina, 'a sua chavalita', para a Tânia, para o Mauro e para o Hugo, seus filhos, que o acompanharam até ao fim com toda a dedicação e carinho que ele merecia, em nome de todo o grupo, aqui lhes deixamos um grande abraço de pesar pela perda do nosso eterno amigo Carlos Sales.
Saudações Caminhadeiras em passada muito, muito triste,

Fortunato de Sousa

9 comentários:

CEF disse...

Hoje ficamos mais pobres.....
Percorrendo pela manhã o percurso que iremos fazer, o fiz em parte com ele sem saber que tinha partido mas , o mar, o mar, me falou algo que vim a saber da boca do Vitor, O Sales partiu, Partiu mas vai ficar no nosso coração.
Até.... Carlão
C. Evangelista

Margarida disse...

Veio à minha memória, de novo, frases dum poema de Pessoa a que me "agarro" quando parte alguém de quem gosto.

" A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto (...)
Nunca ninguém se perdeu,
Tudo é verdade e caminho"

Vai ser como diz o Carlos Penedo " o Carlos vai estar presente em cada caminhada que façamos".
E eu concordo. Nesta estrada ele vai só um pouquinho à nossa frente. Virou a curva e, por isso, não o vemos.

Até sempre Carlos!

Tina disse...

"Dentro do corpo, no fundo,bem no fundo,mora a alma.
Ainda não houve quem a visse,
Mas todos sabem que ela existe.
E ainda nunca,
nunca veio alguém ao mundo
que não tivesse alma.
Porque a alma entra dentro de nós no momento em que nascemos
E não nos larga
__Nem uma só vez__
Até ao fim da nossa vida.
Como o ar que o homem respira
Desde a hora em que nasce
Até à hora em que morre."
(retirado de "O pássaro da Alma")

Obrigado pela tua grande alma!
(Para o Sales onde quer que esteja)
Tina

Carlos disse...

Hoje, dia 23 de Outubro, falou mais alto a fragilidade da nossa condição humana, mas a força da nossa amizade fará com que o Carlos esteja presente em cada nova caminhada que façamos.
Até sempre grande companheiro!!!
Não te esqueceremos.
CPenedo

Maria do Céu disse...

Aqui a "miúda" guarda na memória e no coração o bom companheiro que partiu.
Para a Bina, Mauro, Tânia e Hugo 1 grande beijo.
Céu.

Luisa Gonçalves disse...

Quem passou pela vida em branca nuvem e em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,.
Quem passou pela vida e não sofreu;
foi espectro de homem, não foi homem,
só passou pela vida, não viveu.

Um homem com um coração grande como o
teu amou muito, na certa, e por isso viveu.

Até um dia.

joao disse...

Só se morre quando o último dos mortais que nos recorda morre ou deixa de nos de lembrar

Anónimo disse...

Sinto-me mais pobre após este Verão em que perdemos quatro Amigos da IBM que nunca esqueceremos e uma colega nossa viu partir dois irmãos.
Emocionei-me com as palavras com que o Mauro se despediu do Pai como, há já alguns anos, me sensibilizou a despedida do sobrinho do Carlos André. Aquece-nos a Alma ouvir rapazes tão jovens exprimirem de uma forma tão profunda aquilo que sentem.
Até um dia Amigo Sales!
Ilda Maria

Anónimo disse...

Uma pequena correcção....
Quem falou no velório foi o Hugo.

Grande Sales.....

Uma grande abraço onde quer que estejas.....