sábado, 6 de maio de 2017

* * * * * * * 16ª Caminhada da Época 2016 / 2017 * * * * * * * * De Regresso às Origens . Aldeia Grande-Maxial . Dia 03 de Maio




Álbuns de Fotografias
Local: Aldeia Grande - Maxial
Percurso: 10 Kms – 03:00 horas
Caminhantes: (41) Acilina; Ana Cristina Umbelino; Ana Leão; Angelina Martins; António Clemente; Carlos Evangelista; Carlos Penedo; Carmen Firme; Céu Fialho; Cidália Marta; Clara Maia; Dores Alves; Estela Garcia; Fortunato Sousa; Gilberto Santos; Graça Sena; Irene Afonso; João Duarte; João Figueiredo; Josefa Carrasco; Lina Fernandes; Luís Fernandes; Luís Martins; Luísa Clemente; Manuel Barbosa; Manuel Flôxo; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Lopes; Maria do Céu; Maria do Céu Fialho; Maria da Luz Fialho; Miguel Cardoso; Octávio Firme; Odete Vicente; Rogério Matias; Rosa Silva; Rui Afonso; Teresa Palma; Vítor Gonçalves;
Caminhadeiro Convidado: Fernando Damil
Só ao Almoço: (1) Gil Furtado
Organizadores: Cidália Marta / Rogério Matias
Almoço: Restaurante da Quinta do Gradil
Próxima Caminhada: 17/05/2017 (Organiza: Miguel Cardoso)
Reportagem:
Foi com grande alegria que recebemos os nossos amigos Caminhadeiros na nossa Aldeia.
Caminhámos com o nosso contemporâneo Fernando Damil, homem com larga experiência nestas actividades, que para além de nos transmitir informação detalhada dos vários pontos de interesse cultural dos lugares por onde iamos passando, também nos guiou pelos caminhos e campos onde a ruralidade ainda se mantém quase em pleno.
Mostrámos os lugares e as casas onde eu e o Rogério nascemos e crescemos. Foi agradável recordar a nossa infância.
Depois seguimos de carro até à Quinta do Gradil, local onde o Marquês de Pombal habitualmente passava as suas férias.
O almoço servido em mesa comprida sob um toldo branco no páteo exterior da Quinta, deu-nos a possibilidade de desfrutar de uma visão panorâmica da nossa conhecida Serra de Montejunto.
A meio do repasto, li um poema intitulado - "Raízes" (*) - que retrata o meu percurso de vida e o sentimento vivido através dela até aos dias de hoje.
Seguimos para a visita guiada à adega e, como é habitual, terminámos com o nosso tradicional chá de final de dia.
Um agradecimento a todos os Caminhadeiros presentes e em particular aos meus conterrâneos Rogério Matias e Fernando Damil, que tanto se empenharam e contribuiram para o sucesso deste evento.
Saudações Caminhadeiras,
Cidália Marta

(*) RAÍZES

Voltar às raízes
É voltar à terra onde nascemos
É voltar à terra onde crescemos
Ao lugar onde fomos tão felizes

As minhas raízes estão aqui
Onde os meus pais me geraram
Onde os meus amigos comigo brincaram
Em tudo o que vivi e não perdi

Com estas raízes construí a minha imagem
Com as raízes da família fui alimentada
Subindo todos os degraus desta escada
Da vida que me fez "Mulher Coragem"

Raízes dos sentimentos e emoções
Das dúvidas e das certezas
Raízes das alegrias e tristezas
Das grandes amizades e paixões

E a raiz de todas a maior
A que está sempre presente
Aquela que o coração sente
Que é a raiz do amor

Mas agora, meus amigos, companheiros
Há uma nova raiz na minha vida
Que alimento e jamais será esquecida
A raiz desta árvore: Os Caminhadeiros!!!!!



6 comentários:

Miguel Cardoso disse...


Mais uma das boas jornadas organizadas nesta época (2 1/2) pelo amigo Rogério, desta vez partilhada com a caminhadeira Cidália Marta.
Agradecimentos a ambos pelo agradável dia que nos proporcionaram.
Bem Hajam!

S..,
M.C.

mreis disse...

Se a Cidália verseja
O Rogério mostra emoção
Quem não tem terra, inveja
Mas que bela recordação

DoCeu disse...

Eu gostei da caminhada e muito do Palácio do Marquês. Ah, e dos versos, claro!
Obrigado, amigos, por partilharem connosco as vossas recordações

M.Luz disse...

Parabéns aos Caminhadeiros Aldeiagrandenses, pelo percurso e por toda a jornada!

Mary Light

António Dores Alves disse...

Para os organizadores Cidália Marta e Rogério Matias o muito obrigado pelo dia maravilhoso com que nos brindaram.
Belo o poema da Cidália.
beijos e abraços

Ilda Maria Poças disse...

Parabéns Cidália pelo poema!
Pena não ter podido ir. E para a próxima também não posso.
Saudações caminhadeiros
Ilda Poças