domingo, 18 de dezembro de 2016

* * * * * * * *8ª Caminhada da Época 2016/2017* * * * * * * _Pelas Docas do Cais do Sodré até Algés . Dia 14 de Dezembro_





Albuns de Fotografias
Carlos Evangelista
Dores Alves
Luz Fialho
Luis Martins
Data do Encontro: 14 de Dezembro
Local: Lisboa
Percurso: Pelas Docas do Cais do Sodré até Algés – 10,000 kms – 02:30 horas
Caminhantes: (27) Ana Cristina Umbelino; Angelina Martins; Carlos Evangelista; Céu Fialho; Cidália Marta; Clara Maia; Dores Alves; Estela Garcia; Fortunato de Sousa; Francisco Henriques; Gilberto Santos; Josefa Carrasco; Júlia Costa; Kinita de Sousa; Luís Martins; Luís Santos; Luz Fialho; Manuel Garcia; Manuel Pedro; Manuel Reis; Margarida Lopes; Maria do Céu; Pedro Albuquerque; Rogério Matias; Teresa Palma; Vítor Gonçalves; Zé Clara;
Só ao Almoço: (5) Cristina Sousa; Gil Furtado; Graça Sena; Margarida Graça; Odete Vicente;
Caminhante Convidada: (1) Natália Marques
Organizadores: Kinita de Sousa e Fortunato de Sousa
Almoço: “Restaurante Caravela de Ouro” em Algés
Próxima Caminhada: 11/01/2017 (Organiza: Rogério Matias)
Reportagem: Manda a tradição Caminhadeira, que os 10 kms do percurso pedestre pré-natalício sejam realizados entre o Cais do Sodré e a bonita vila de Algés.É uma caminhada com características diferentes das habituais em vários aspectos, esta do Natal. A começar pelos vários tipos de transporte utilizados pelos participantes para chegar ao local de concentração. Uns vêm de Metropolitano (vulgo Metro), outros vão de carro até Algés e depois viajam de comboio até ao Cais do Sodré, e uma pequena minoria vem caminhando desde o local onde a caminhada terá o seu término, ao encontro dos Caminhadeiros cumpridores rigorosos do percurso. E imaginem ainda, que o grupo de Torres Vedras veio de autocarro até Lisboa em viagem de ida e volta.
A inovação desta vez, foi a distribuição de gorros de "Pai Natal" a cada um dos participantes, que deu um novo visual ao grupo, mas bem enquadrado nesta época festiva.
Também para manter a tradição desta caminhada, o senador Gil Furtado, por volta das 10 horas começa a telefonar ao pessoal para saber onde estamos. Passado meia hora lá aparece em cima de 2 rodas, capacete na cabeça, sorriso aberto de orelha a orelha e ziguezaguiando por entre as docas como se fosse um puto que aprendeu a andar de bicicleta no dia anterior. E há ainda os que só aparecem ao almoço, sempre com ar muito atarefado, como se tivessem estado toda a manhã a tratar dos casos mais difíceis da humanidade.
É minha opinião que a previsão meteorológica possa ter desincentivado alguns a participar nesta jornada. Se assim foi, perderam um bom passeio à beira Tejo numa manhã cheia de Sol de Inverno. Da chuva anunciada, apenas umas pingas quase despercebidas.
Depois veio o almoço servido também no restaurante do costume. Primoroso, esmerado e apurado, é assim que me apetece classificar a confecção e o serviço prestados. Tudo isto enriquecido pelo inigualável ambiente que se gera e vive neste também inigualável grupo em boa hora criado já lá vão 10 anos. A tal terapia de grupo de 15 em 15 dias, como alguém já denominou estas Quartas-Feiras.
Durante o almoço fomos recebendo de muitos Caminhadeiros ausentes, telefonemas a dizer que embora não estando fisicamente presentes, estavam connosco. A todos eles o nosso obrigado e perdoem não mencionar os nomes por receio de me esquecer de algém.
Também durante o repasto, quiseram as manas Maria do Céu e Maria da Luz oferecer a cada participante uma linda "Estrela de Natal". Para além de serem obra da sua autoria, caracterizam bem a generosidade desta vez natalícia das manas Fialho.
Ainda no restaurante, recebemos a visita da nossa amiga Gabriela Bentes, que há já muito tempo não participava nos nossos eventos.
Seguiu-se a visita cultural ao MAAT. E é aqui que temos de tecer alguma opinião crítica negativa acerca deste espaço recém inaugurado. A guia que nos conduziu durante a visita, bem se esforçou por disfarçar a pobreza dos acabamentos e dos mosaicos que tiveram que ser importados do país vizinho, evidenciando os créditos atribuídos à arquitecta responsável pelo projecto, a britânica Amanda Levete.
A exposição artística no vasto espaço oval interior e a extraordinária panorâmica que se obtém do miradouro, salvaram a honra do museu.
Já com o grupo diminuído, regressámos ao local do almoço para completar a última parte do programa do dia. Chá acompanhado de vasta doçaria, onde não faltou o tradicional “Bolo Rei” que tão bem caracteriza esta época natalícia e de final de ano.
Por fim, realçar as 3 novas participações nesta caminhada:
A Natália (convidada da nossa amiga Júlia Costa), residente em Macau, que enriqueceu a sua estadia no país com esta participação.
O Francisco Henriques, neto da Caminhadeira Cidália, que resistiu até ao fim e conseguiu adaptar-se ao convívio com os amigos da avó, todos eles com um escalão etário bem diferente. 
E a Luísa Sousa Correia, neta dos organizadores do evento. Com os seus 4 meses, deve ter sido a Caminhadeira mais nova a participar em caminhadas do nosso grupo.
Saudações Caminhadeiras em passada de “Boas Festas”,
Fortunato de Sousa

6 comentários:

cristi disse...

Adoramos, eu e a Lu. E como foi bom todo o mimo!!
A lu ja esta a treinar as caminhadas e as amizades. Obrigada a todos e bom natal

António José Clemente disse...

A todos os amigos caminhadeiros um abraço de Boas -Festas, cheias de Paz e mimos da família, e já agora com os presentes e doçinhos,estes, com moderação para que nas próximas caminhadas todos estejamos em forma!
Até á próxima!com pena de não termos partilhado esta!
Luisa e Tó Zé

mreis disse...

O caminhadeiro-mor, que também é repórter-mor, esqueceu-se só de referir um pormenor: a oferta de uma estrelinha pelas manas Fialho, com uma frase que merece divulgação: "Não faças do teu Natal uma lista de compras, por cada amigo pendura uma estrela no teu coração". Eu logo na hora aproveitei para dar mais um beijinho, este de agradecimento, mas aqui fica o registo escrito.

E mais nada!

Boas Festas para a Cristina e a Lu, o ToZé e Luisa e para todos, todos os caminhadeiros.

mreis

Fortunato de Sousa disse...

Só não erra quem não faz coisas, diz o povo e tem razão. Desta vez disse o meu amigo Manuel Reis que eu errei e, como fui eu a fazer as coisas ele tem toda a razão.
Para as manas Maria do Céu e Maria da Luz Fialho as minhas desculpas pelo lapso. Mesmo que não estivéssemos em quadra natalícia sei que me perdoariam, quanto mais nesta altura do ano onde os infractores têm sempre uma margem de tolerância mais alargada por parte das vítimas.
E como mais vale tarde que nunca, se forem reler a reportagem, terão oportunidade de ver que já foi reposta a verdade dos factos.
Saudações Caminhadeiras em passada errada e faltosa,
Fortunato de Sousa

DoCeu disse...

Bem, eu peço desculpa, mas as primeiras loas e agradecimentos têm que ir para S. Pedro, que, mais uma vez, contra ventos e marés (propriamente ditos!), nos proporcionou um dia mil vezes melhor do que aquele com que a meteorologia nos tinha ameaçado.
E logo a seguir, claro está, são para o casal mor organizador, que tudo de qualidade nos proporcionou, e até a mascote (sem ofensa, Lu!) do dia, que foi a estrela da companhia e andou de colo em colo, sem nunca mostrar má cara a quem lhe quis dar uns amassos!
Quanto ao "caso" do MAAT - infelizmente, as inaugurações antes do tempo estão a tornar-se frequentes no nosso país... A Ribeira das Naus já foi inaugurada duas vezes e ainda não está concluída! Condoí-me da jovem guia Mariana, a querer vender o peixe como lhe ensinaram, mas deparando-se com este grupo de ratos velhos (de novo sem ofensa, eu tb estou incluída!), de língua afiada e perguntas inconvenientes a atropelarem-se umas às outras... Mas ainda nos relaxámos no Pynchon Park e nos encantámos com as vistas do terraço, onde tirámos umas belas fotos. All in all, foi mais um dia muito bem passado (isto sem querer invadir nenhuns direitos de autor!... :-)
Aos amigos Caminhadeiros com quem não tive oportunidade de estar na passada quarta-feira, queria endereçar os melhores votos de boas festas. Ontem assim o fiz através do endereço caminhadeiros@googlegroups.com, mas a geringonça deu-me uma resposta tão esquisita, que n sei se a msg terá chegado aos destinatários.
Beijinhos e até pró ano!

António Dores Alves disse...

Obrigado aos organizadores Kinita e Fortunato por esta caminhada a caminho de Algés.
Boas festas para todos,
beijos e abraços