domingo, 8 de junho de 2014

* * * * * * * * 19ª Caminhada da Época 2013 / 2014 * * * * * * * * Por Caminhos do Livramento . Dia 4 de Junho




Álbuns de Fotos
Dores Alves
Local de encontro: Livramento (Azueira, Mafra)
Percurso: 10,5 km – 3h00
Organizadores: Angelina e Luis Martins
Caminhantes: (31) Dores Alves, Gabriela Bentes, Miguel Cardoso, Maria do Céu, António Clemente, Luísa Clemente, João Costa, Nela Costa, Lina Fernandes, Luís Fernandes, Maria da Luz Fialho, Carmen Firme, Octávio Firme, Gil Furtado, Manuel Garcia, Margarida Graça, Rita Graça, Ana Leão, Fátima Libânio, Lúcio Libânio, Angelina Martins, Luís Martins, Rogério Matias, Manuel Pedro, Carlos Penedo, Luís Pontes, Manuel Reis, Gilberto Santos, Fortunato Sousa, Quinita Sousa, Odete Vicente.
Almoço: Restaurante Erva Doce - em Livramento - 261 963 181
Reportagem:
Após uma noite com alguma chuva bastante leve, às 9h00 previamente marcadas, toda a gente estava presente.
Com um ligeiro avanço de 5 minutos sobre a hora prevista deu-se início à caminhada a partir do Restaurante/Cafetaria ‘Erva Doce’. Após os primeiros seiscentos metros – em Bandalhoeira - iniciámos uma descida que nos permitiu aquecer os músculos e tomar balanço para as subidas que nos esperavam. Não eram muito pronunciadas mas eram ligeiramente prolongadas - cerca de dois quilómetros.
Deixando para trás a Fórnea e a Portela do Gradil, pequenas aldeias da antiga freguesia do Gradil (agora União de Freguesias do Gradil, Enxara do Bispo e Vila Franca do Rosário), a cerca de dois mil e quinhentos metros da partida parámos pela primeira vez para um curto retemperar de forças e prepararmo-nos para as derradeiras mas muito acentuadas subidas até ao cimo da Serra do Chipre. E entrámos na antiga freguesia do Sobral da Abelheira (agora União de Freguesias da Azueira e do Sobral da Abelheira). (Chiça que já estou cansado só de dizer os nomes destas invenções todas). Aqui foi posta a hipótese de, em alternativa, toda a gente poder utilizar um outro percurso mais curto ou alguns que se sentissem mais cansados o fizessem. Como era de esperar de tão bravos e experimentados caminhadeiros ninguém optou por esta segunda hipótese. Por conseguinte enchemos o peito de ar e demos muita corda às botas, iniciando os últimos quatrocentos metros de subida que, como se disse, foram os últimos mas não os mais fáceis. Mas, verdade seja dita, foram mais ou menos ‘papados’ com uma ‘perna às costas’. Quase no alto desta subida encontrámos o muro que rodeia a grande Quinta da Barroca e donde se podia ver uma área bastante grande da Tapada de Mafra  – que alguns recordaram com alguma nostalgia. Continuando por umas centenas de metros ao lado do citado muro o percurso começou a ser quase plano e aqui o grupo separou-se ligeiramente. Os organizadores tinham muito gosto em fazer o percurso que anteriormente foi escolhido, fazendo votos por que o tempo e a transparência da atmosfera permitisse o desfrute de tão amplo e belo panorama. Nem sempre isso aconteceu: não nos foi possível ver as Berlengas nem a serra dos Candeeiros mas, apesar de tudo, não foi mau de todo pois pudemos ver locais por onde andámos anteriormente: a serra da Archeira, a serra do Socorro, a serra do Alqueidão, a Serra da Vila, aldeia por cima de Torres Vedras que cruzámos aquando da Caminhada do Carnaval.  
É verdade que o ritmo da caminhada ia sofrendo algumas adaptações para que todos se pudessem manter mais ou menos próximos. E a organização ia dando algumas instruções para que o andamento dos da frente seguisse o que fora estabelecido. O que não aconteceu a determinada altura. Mas como isso não iria prejudicar em nada o resultado da caminhada achou-se por bem ‘deixar andar’ até porque iríamos reencontrar um pouco mais à frente  o caminho anteriormente previsto e que tinha uma descida muitíssimo mais pronunciada do que aquela que acabámos por fazer. E assim foi. Em Monte Gordo reunimo-nos novamente e demos início à terceira parte do percurso que, abençoados organizadores, escolheram por ser sempre a descer ou em plano, fazendo-o por caminhos que passavam através de campos cultivados e por meio de pomares, de pereiras e macieiras. Como decerto repararam, no início da caminhada predominava a vinha e agora, para o fim, víamos mais os pomares. É por isso que, cerca de quinhentos metros antes de se sair da N8, se encontram dois grandes complexos que são a Adega Cooperativa da Azueira e a FrutOeste que dão vazão a quase toda a produção de fruta e vinho.
Mas voltemos à vaca-fria. A teoria subjacente a esta caminhada foi a de dividir o percurso em três partes: a primeira seria a mais difícil porque era a subir e, portanto, dever-se-ia aproveitar o facto de todos estarem frescos (e neste caso com um tempo fresco que veio ajudar); a segunda parte seria no cimo da serra e teria alguma irregularidade (uma ou outra subida e algumas descidas mas maioritariamente plana); finalmente a terceira parte, e perante o previsível cansaço, o percurso seria a descer e em plano também. Parece que foi uma decisão acertada pois, com um esforço controlado e contínuo, toda a gente fez o percurso dentro do horário previsto, tendo havido apenas o previsível cansaço e os pés um pouco doridos. Cerca das 11h59 recebi um telefonema do nosso grande amigo e caminhadeiro Carlos Evangelista dando-nos notícias suas, querendo saber de nós e desejando uma boa e bela caminhada, enviando beijos e abraços para as caminhadeiras e caminhadeiros respectivamente. Fruto das preocupações do dia o organizador que recebeu o telefonema esqueceu-se de comunicá-lo a todos. Aqui se penitencia pedindo desculpas ao Carlos e dando conta do facto a todos, ainda que atrasadamente.
Ainda antes das 13h00 entrámos na sala do almoço – uma sala nas instalações do Sporting Clube do Livramento que a D.Susana, proprietária do Erva Doce se esmerou em preparar para nos servir o almoço. Aí, para retemperar as nossas forças ligeiramente abaladas, começámos com as ‘entradas’ que já estavam à nossa espera. Minutos depois foi-nos servido pela D.Susana, e por uma sua empregada, o primeiro prato que era uma estreia para todos, organizadores incluídos: ‘Grão de marisco ’que rapidamente passou de curiosidade e se tornou numa realidade palpável, papável e, em muitos casos, repetida. Foi um prato de que a maioria dos presentes gostou e elogiou. O segundo prato foi ‘Carne de porco à saloia’ que é uma ligeira variação da ‘Carne de porco à portuguesa’ e que todos conhecem.
Os vinhos eram da Adega Cooperativa da Azueira e conseguiram ser bem aceites pelos presentes, preferindo muitos o branco ao tinto. Para sobremesa houve salada de fruta e doces vários. Mais tarde o chá continuou a senda já trilhada durante o almoço, deixando os caminhadeiros bastante agradados no que respeitou à área da gastronomia: a sala muito funcional e com uma disposição das mesas de modo a todos estarem de frente para todos, a qualidade da cozinha e a simpatia e eficiência no serviço.
Os momentos culturais foram, como desejado pelos organizadores, mais uma vez um desmentido a quem gosta de nos caluniar dizendo que nas nossas caminhadas só se pensa em comer. É verdade que uma boa refeição retempera a  vertente física do ser humano, mas não só: não esqueçamos que o corpo é o suporte de um bom espírito, de uma fluidez intelectual onde o raciocínio se deverá assentar. Encontramo-nos principalmente, no nosso ponto de vista, claro, para conviver, para nos enriquecermos partilhando vivências e ouvindo opiniões, conselhos e histórias que a todos ajudarão na sua vida presente e futura. Isto faz-se enquanto se caminha e faz-se, sobretudo e à boa maneira portuguesa, sentados à mesa perante uma boa refeição onde os amigos se estreitam mais e os que ainda o não são rapidamente se incluirão nesse círculo, reduzindo inibições de vários tipos.
Mas a cultura é um conceito muito amplo, muitas vezes com difíceis e não muito claras fronteiras, podendo incluir-se nela tanto o teatro como o cinema, a ópera ou a dança (só clássica?), a escrita, as artes manuais (como a escultura) – e o artesanato não? -  etc., etc., etc. E será que apreciarmos as nossas terras, vermos como o nosso povo cuida do seu património (antigos castelos ou monumentos que representam a sua História), de como respeitam as antigas formas de trabalhar e engenhos que os mantiveram durante milénios, ouvir o seu canto ‘tradicional’ como forma de exprimir os seus sentimentos, o seu dia-a-dia, ou admirarmos as nossas paisagens e concluirmos que ainda há, felizmente, pessoas que se preocupam em as preservarem, em aumentar a sua beleza, transmitindo aos visitantes o orgulho que sentem por aí viverem, por serem o que são – não será isso também uma forma de cultura, talvez a mais profunda a calar no íntimo do ser humano?
Toda esta ‘filosofia barata’ vem a propósito da parte cultural escolhida para completar o nosso dia: a visita ao ‘Atelier d’Arte, Lda’ da família Canhoto, mestres na marcenaria artística e no embutido. Fora esta a primeira ideia que tivemos e que, em boa hora e graças à intervenção do sr. João Canhoto, foi desenvolvida, aceitando de bom grado a sua sugestão de contactar o Mestre Organeiro Comendador Dinarte Machado que poderia ilustrar a estreita colaboração existente entre eles no desenvolvimento de projectos que, frequentemente, têm áreas comuns. A nós, organizadores, nem nos passara pela cabeça pedir a colaboração do Mestre Dinarte Machado mas, perante a sugestão do sr. J.Canhoto, nem chegámos a pensar uma segunda vez quando ele nos disse que tratava de o contactar para ver da possibilidade de vir também falar um pouco da sua profissão mas, sobretudo, da sua arte. Como houve oportunidade de se ouvir, a família Canhoto está muito ligada ao Mestre Dinarte Machado por força da sua arte. Quando este aceitou dizer-nos umas palavras ficámos como aquela pessoa que, tendo um belíssimo bolo, ainda recebe uma linda cereja para lhe colocar por cima. Não nos vamos alongar sobre a ligação existente entre eles – e aqui remeto para os textos que vamos colocar no blog para mais alguém poder ler – pois essa dúvida surgida de início: que tem a ver a marcenaria e os embutidos com a organaria foi larga e profundamente esclarecida e justificada durante a visita à Igreja do Livramento (*); numa primeira parte em que se fez uma pequena resenha histórica da terra, da igreja e do órgão – pelas palavras do sr. José B. Lucas – e numa segunda parte pelas palavras de Mestre Dinarte Machado que nos falou do seu trabalho e que, no fim, nos presenteou com a execução de alguns temas musicais que lhe servem para testar e afinar os tubos e engenhos dos órgãos que repara ou que fabrica.
A seguir dirigimo-nos às instalações do ‘Atelier d’Arte’ que, para nós, era o bolo há tanto tempo conhecido e que, também há muito desejávamos mostrar aos nossos amigos caminhadeiros. Entrámos nas suas instalações com o espírito da criança que fica maravilhada perante jóias que julgava já não se fazerem mas que, afinal, ainda há uns mágicos que as produzem e nos deixam apreciar, maravilhando-nos com a sua Arte. Fomos recebidos em dois grupos pela família Canhoto que, com uma simpatia inultrapassável, nos deu algumas informações sobre o seu trabalho, nos exemplificou alguns momentos do seu trabalho, nos mostrou algumas peças em fase de desenvolvimento e, sobretudo, nos permitiu admirar obras acabadas de uma beleza estonteante; por fim responderam às questões que alguns de nós colocámos, fruto da nossa curiosidade e do espanto perante tanta beleza e engenho. Ainda tivemos o privilégio de poder ouvir a execução de pequenas peças musicais tradicionais com que o sr. F.A.Canhoto nos presenteou, executadas em alguns dos catorze tipos de instrumentos que domina e que, decerto, algumas fotografias irão ilustrar.  
Saímos das suas instalações como saíramos da igreja: conscientes de estarmos espiritualmente mais ricos, fruto da presença, da beleza e do conhecimento de obras de Arte e de pessoas que nos transmitiram notas sobre o seu saber e o seu querer serem melhores, tanto na sua profissão, como na sua vida.           
Quanto ao chá apenas podemos referir que as bebidas estavam óptimas e que os bolinhos também não destoavam dos que prováramos ao almoço.
Os organizadores esperam que o dia tenha sido do agrado, senão de todos, pelo menos da maioria dos caminhadeiros.

Saudações Caminhadeiras
Angelina e Luis     

(*) Para quem não teve oportunidade de estar presente aqui fica o porquê da sua colaboração: aquando da reparação/reconstrução do órgão de armário da igreja do Livramento, além da parte musical, isto é, da construção dos tubos, sua afinação e engenhos para os ligar, era preciso fazer um armário novo, um teclado novo, uma pedaleira nova, novas portas etc. que teriam de ser feitos por alguém fora do âmbito da Oficina do Mestre Dinarte Machado. Quando foi sugerida a colaboração com a família Canhoto, e após alguns trabalhos iniciais, nunca mais esta colaboração foi quebrada, passando a tornar-se estreitíssima e permanente.    

12 comentários:

Gabriela Bentes disse...

Angelina e Luis Martins, não acrescento nem tiro uma virgula à vossa tão bem narrada reportagem.
Tudo foi dito!
Excepcional é a palavra que me ocorre!
Só me resta agradecer este magnífico dia e a "lembrança" (muito bonita por sinal) da Angelina que guardo com muito carinho.
Beijo aos dois
Gabriela

Gil A F Furtado disse...

Mais uma vez, parabéns e obrigado, Angelina e Luís, agora também pela reportagem.
A minha mulher agradece a prenda, e, o bolo, eu, como ele era "de noivo", já o comi. E gostei.
Saudações caminhadeiras e fiquem bem até à próxima caminhada. E depois dela também...

Abraços.

Gil Furtado

Maria do Céu disse...

Ogrigada à Angelina e ao Luis, pela bela caminhada, pelo almoço e por nos fazer descobrir artes e ofícios de se lhe tirar o chapéu ou melhor dizendo as notas musicais e o trabalho preciso de marcenaria. E o mimo dos organizadores. Bjs. Céu.

Miguel Cardoso disse...


Os meus agradecimentos aos organizadores (Angelina+Luís) por mais uma bela jornada.
Um boa caminhada com uma bela paisagem, boa gastronomia (Luís o grão com gambas é p/ repetir), e uma componente cultural magnífica, onde nos foi dado observar um património cultural e artístico de grande valor e muito bem preservado.
Uma boa reportagem.
Quem não esteve presente neste evento e eventualmente se deu ao trabalho de ler a mesma, é como se lá tivesse estado.

*escrito de acordo com antiga ortografia.

Saudações Caminhadeiras,
Miguel Cardoso

LM disse...

Miguel, este esclarecimento é principalmente para ti pois reparaste numa coisa que não será muito frequente. Mas também para quem tenha notado que a sede da Junta de Freguesia da Azueira está situada no Livramento. A Azueira e o Livramento são duas localidades que hoje estão ‘coladas’ uma à outra. Desde que o Livramento existe a sua importância foi crescendo por força, sobretudo, da influência religiosa e da localização geográfica. Era sede de concelho desde 1820 – com as freguesias do Gradil, da Freiria, do Milharado, da Sapataria, da Enxara do Bispo, do Sobral da Abelheira e do Turcifal - mas a reorganização territorial de 1855 extinguiu-o, perdendo o seu tribunal e os seus paços do concelho. Alguns, como a Freiria e o Turcifal, passaram para Torres Vedras e os outros passaram para Mafra.
Com o passar dos anos o Livramento – aldeia - foi aumentando de importância e a Azueira – vila – foi perdendo essa mesma importância.
Com a força da iniciativa duma terra jovem nasceram e desenvolveram-se no Livramento profissões importantes para a economia da região: adegas, tanoeiros, moinho, oficinas, padaria etc. Hoje isso não acontece mas a Azueira é uma localidade situada numa parte muito baixa que no inverno sofria muitas vezes de cheias. Com o aumento da sua área e dos seus habitantes e do seu poder económico o Livramento passou a justificar a construção do Banco, dos CTTs, da Escola, da GNR e, quando foi preciso, dado que não fazia sentido a grande maioria das pessoas se deslocarem à Azueira, a Sede da Junta de Freguesia foi construída no Livramento.
Mas o nome da freguesia manteve-se: Azueira. Anteriormente à reforma de 2012/13 o concelho de Mafra tinha 17 freguesias e a Azueira era a 10ª em população.
Espero que este pequeno apontamento tenha ajudado a perceber o porquê da localização de um órgão administrativo numa localidade diferente da da sede de freguesia.
Um abraço a todos.
LM

Fortunato de Sousa disse...

Incumbiu-me o meu amigo Manuel Reis, que se encontra em gozo de férias fora do país, de publicar o seu comentário a esta magnífica jornada caminhadeira.
Aqui fica então o depoimento do Manel:
Como vou estar fora na próxima semana aqui vai o meu comentário antes da reportagem.

Mais uma vez muito bem organizada e planeada como se de profissionais se tratasse: convocatória, horário, tempo para alongamentos, espaço confortável (as cadeiras eram um bocadinho baixas para o Gil), miminhos para rapazes e raparigas (e o trabalhinho que devem dar aquelas etiquetas autocolantes), etc. O único senão é que a sala era em verde e branco mas não se pode ser perfeito…

Gostei do percurso e mesmo sendo puxadinho vejam lá que nem ouvi o Octávio a refilar.

Mas foi na cultura que o casal Martins se esmerou. Quer a história da igreja e da recuperação do órgão, quer a visita ao atelier dos ´’Canhoto’ foi um privilégio de que poucos se poderão gabar. Tudo complementado por um texto personalizado para que possamos consolidar em casa o que vimos e ouvimos in loco. Claro que isto não é para qualquer um e só posso deixar aqui o meu obrigado pela oportunidade e também pelo trabalhão que toda a logística requereu.

Chá self-service impecável e preço de se lhe tirar o chapéu.

Miguel Cardoso disse...


Boa noite Luís,

agradecido pelo teu oportuno e sucinto esclarecimento relativo à observação que fiz durante a jornada de quarta passada.
A tua explicação complementou a que já tinha sido dada pela tua esposa Angelina.

Um abraço,
Miguel

Kinita disse...

Um grande bem haja aos "Caminhadeiros" A. e L. Martins, que nos proporcionaram um excelente dia
em todos os sentidos, isto para abreviar e não repetir tudo o que já foi mencionado pelos mensageiros anteriores. Um abraço carinhoso para os dois que foram iguais a si próprios, concedendo-nos um dia bastante prazeiroso.
Os mimos foram o"máximo".Agradecida.
Kinita

António Dores Alves disse...

Além do excelente fotógrafo que já conhecíamos, fomos contemplados com uma reportagem minuciosa do belo dia que passámos nesta tão bem elaborada jornada caminhadeira. Obrigado Angelina e L. Martins. Não podia ter sido melhor.
Abraços

LM disse...

Ó Maria da Luz, adorei o video: o som bastante agradável (tanto a música com as palavras do Mestre estavam claras e de uma sonoridade muito bem conseguida), o cineasta sempre bem colocado e a objectiva sempre a apontar o que era interessante de ver. E bem definida.
Parabéns e um abraço.
LM

LM disse...

Contem com mais dois: Angelina e eu.

Margarida disse...

Olá!
À Angelina e ao Luís agradeço esta caminhada e a excelente visita cultural (o que eu tenho descoberto deste Portugal, por ter a sorte de pertencencer a este grupo FANTÁSTICO)
Muito obrigada aos Caminhadeiros pelo carinho com que acolheram a minha Rita neste convívio.
Quero deixar um pequeno testemunho: mesmo não estando presente, o Carlos Evangelista telefonou-nos para desejar à Rita um dia bem passado. Este mimo diz tudo (não só sobre o Carlos mas, também, sobre este grupo)
Beijo enorme!